1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Viúva de líder da ex-Alemanha Oriental quebra silêncio

Após anos sem dar entrevistas, Margot Honecker, viúva do ex-líder da RDA Erich Honecker fala à televisão. Mais de 20 anos após o fim da Alemanha Oriental, ela continua a defender o Estado comunista.

Durante anos, jornalistas viajaram até o Chile, onde a alemã Margot Honecker vive exilada, na esperança de conseguir uma entrevista. A viúva do ex-líder da Alemanha Oriental Erich Honecker recusou-se repetidamente a falar com os repórteres alemães – insultando-os ou molhando-os com a mangueira do jardim.

Neste ano, porém, Honecker – que foi ministra da Educação da República Democrática Alemã (RDA), a Alemanha Oriental, entre 1963 e 1989 – publicou um livro sobre a educação popular no leste do país [Zur Volksbildung, no título original], assim como os últimos registros do diário de seu marido. Ela também concedeu uma entrevista à emissora de TV alemã ARD nesta segunda-feira (02/04).

Em um documentário de 90 minutos sobre a era Honecker, exibido pela emissora para mais de 4 milhões de espectadores, a viúva de 84 anos defendeu veementemente a Alemanha comunista.

Honecker disse nunca ter compreendido por que se tentava escapar para o oeste, por cima do Muro de Berlim, se tantos morriam durante a fuga. "Não havia necessidade disso. Não era preciso escalar o Muro. Ter de pagar por tal estupidez com a própria vida é doloroso, principalmente para as mães que sofriam com isso", considerou.

Um sistema melhor

Berlin, Mauer Brandenburger Tor 1988

Honecker: "Não era preciso escalar o Muro"

O marido de Margot Honecker, Erich, que supervisionou a construção do Muro de Berlim em 13 de agosto de 1961, foi forçado a renunciar seu cargo político pouco antes de o Muro cair, em 9 de novembro de 1989.

É claro que havia prisioneiros políticos, pessoas que "prejudicavam o socialismo" na Alemanha Oriental, diz Honecker no documentário. "Ninguém precisa se desculpar por isso", afirma.

A maioria dos alemães que assistiram à entrevista nesta segunda-feira desaprovou os comentários da viúva, mas não esperava algo diferente da obstinada linha-dura. Mais de 20 anos após o colapso do Estado, vítimas da Alemanha Oriental mostraram-se ainda indignados. "Que tipo de pessoa é essa?", questionou uma mulher que foi presa por tentar escapar pelo Muro de Berlim e cujo filho pequeno foi, então, dado para adoção pelo Estado. "É um desaforo, inacreditável", diz.

A contrarrevolução

Honecker alega que a adoção forçada não existia na Alemanha Oriental – convicta de ter evitado acusações criminais. Vivendo no Chile desde 1992, ela recebe do governo alemão uma pensão mensal de 1.500 euros.

Na entrevista para a televisão, Honecker descreve a noite de outubro de 1989 em que a Alemanha Oriental celebrou seu 40º aniversário em Berlim. Em uma procissão à luz de velas, jovens aclamavam Mikhail Gorbachev – então secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética –, acompanhado do marido Erich, com endurecidas feições.

Erich Honecker não acreditava mais na ilusão de conseguir salvar a Alemanha Oriental, disse a viúva. Para ele, a queda do Muro de Berlim era uma "contrarrevolução".

"Os outros é que devem se desculpar"

Revolution in Osteuropa 1989 Bild 15 DDR Erich Honecker tritt zurück

Erich Honecker, líder da RDA, renunciou em 1989

Durante alguns meses, os Honecker – que um dia foi o casal mais poderoso do país – foram abrigados pela família de um pastor luterano, antes de fugir para Moscou para evitar acusações criminais. Erich Honecker foi, então, extraditado para a Alemanha em 1992 e acusado de crimes cometidos durante a Guerra Fria. Em 1993, ele foi, porém, libertado ao adoecer de câncer no fígado e viveu com a esposa em Santiago do Chile até a sua morte, em 1994.

Eles tiveram sorte, afirma o ex-ministro do Exterior da União Soviética Eduard Shevardnadze no documentário de TV, relembrando que o líder romeno Ceausescu, por exemplo, foi sumariamente executado.

Quanto a um julgamento final sobre a Alemanha Oriental, Margot Honecker confia na história. Ela diz sempre acreditar "que se colhe o que se planta". A existência da RDA não foi à toa, afirma. Para a ex-ministra, o que há de errado no mundo é que as pessoas ainda são exploradas e mortas em guerras. "Os outros é que devem se desculpar", diz Honecker.

Autor: Bernd Gräßler (lpf)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais