1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Vexames na Copa do Mundo fazem Uefa encurtar competição

Más exibições de craques desgastados por maratona de jogos na Europa convencem dirigentes a reduzir número de partidas na Liga dos Campeões. Uefa também anuncia abandono da Copa das Confederações.

default

Depois de brilhar na final da Liga dos Campeões, Zidane (de branco) foi para o mundial no bagaço

O que antes da Copa do Mundo do Japão e da Coréia parecia improvável aconteceu. O comitê executivo da Uefa aprovou, nesta quinta-feira, em Nyon (Suíça), mudanças no atual formato da Liga dos Campeões para a temporada de 2003/2004. Elas só não serão implementadas imediatamente devido a contratos já assinados com patrocinadores e emissoras de tevê.

Os dirigentes decidiram manter a participação de 32 equipes, mas acabar com a atual disputa das oitavas-de-final em grupos. Assim, as partidas de tudo ou nada, em ida e volta, começarão já nesta fase, reduzindo de 17 para 13 o total de jogos de quem chegar à final da competição.

"Esportivamente, é uma decisão sensata", avalia Michael Zorc, diretor de futebol do Borussia Dortmund, atual campeão alemão e vice da Copa da Uefa.

"Ninguém gosta de heróis capengas"

O corte era reivindicado por vários clubes, que reclamavam do desgaste de seus jogadores. Alguns chegam a jogar ao todo 70 partidas por temporada. "Ninguém gosta de futebol com heróis capengas", afirma Franz Beckenbauer, presidente do Bayern de Munique.

As resistências, porém, eram grandes até a recente Copa do Mundo. A notória má condição física com que craques, como Zidane e Figo, entraram em campo no mundial parece ter alterado a opinião de muitos dirigentes. "Não é simples mudar uma competição vista como a melhor do mundo disputada por clubes. Mas às vezes é necessário agir, pensando no futuro", admitiu o presidente da Uefa, Lennard Johansson.

"Houve razões de saúde e esportivas, mas também comerciais. Se o interesse das emissoras de tevê e dos torcedores cai, é preciso concentrar a competição", argumentou Gerhard Mayer-Vorfelder, presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB) e membro do comitê executivo da Uefa.

A decisão agradou Karlheinz Rummenigge, vice-presidente do Bayern. "A agenda ficará mais flexível, os jogadores terão maior possibilidade de regeneração e os torcedores preferem o sistema de tudo ou nada." Rummenigge, porém, quer mais cortes no calendário anual: "um ou dois jogos de seleções nacionais a menos por ano".

Uefa abandonará Copa das Confederações

Após a reunião em Nyon, o presidente da Uefa declarou que as seleções dos países ligados à entidade deixarão de disputar a Copa das Confederações. A última será a de 2005. "Não vamos mais participar, mas seria errado abandonar a competição já agora", disse Johansson, que prevê a extinção do torneio.

A Copa das Confederações é promovida pela Fifa a cada dois anos. Dela participam as seis seleções campeãs das federações continentais, além do país anfitrião e o campeão mundial. Atualmente, o detentor do título é a França, que conquistou a Copa das Confederações no torneio de 2001, realizado no Japão e na Coréia do Sul.

A versão 2003 continua sem país-sede, que só será escolhido pela Fifa em 23 de setembro, a apenas nove meses da realização do evento. França (juntamente com Suíça), África do Sul, EUA e Austrália são candidatos. Já a Copa das Confederações de 2005 será na Alemanha e servirá como ensaio geral para a Copa do Mundo de 2006.