Versão original de ″Metrópolis″, de Fritz Lang, descoberta na Argentina | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 02.07.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Versão original de "Metrópolis", de Fritz Lang, descoberta na Argentina

"Mais de um quarto do filme se extraviou", indicam as atuais cópias de "Metrópolis". Oitenta anos após a versão original de Fritz Lang ter sido reduzida, cenas desaparecidas são achadas em Buenos Aires.

default

Cenários monumentais para competir com Hollywood

O legendário filme expressionista Metropólis (1927), dirigido por Fritz Lang, foi a mais dispendiosa produção cinematográfica alemã da época, rodada pela Ufa como um desafio a Hollywood. No entanto, o efeito esperado não se concretizou.

Após o lançamento ter desagradado crítica e público, representantes da distribuidora norte-americana Paramount encurtaram o filme e simplificaram o enredo radicalmente, cortando cenas fundamentais do original. A versão director's cut ficou nas telas somente até maio de 1927 – e desde então foi considerada extraviada.

Cenas desconhecidas e mais dramáticas

Uma descoberta inédita no Museo del Cine, em Buenos Aires, trouxe à tona a versão original dada por perdida, segundo relatou o semanário alemão Die Zeit. A cópia – um quarto mais longa que a versão conhecida hoje – foi submetida pela diretora do museu ao parecer de três especialistas e confirmada como o original de Fritz Lang.

O filme sobre a cidade do futuro Metrópolis, cujos trabalhadores são condenados a viver no subterrâneo, narra a história de amor entre o filho de um industrial e uma operária, enfocando a luta de classes e o totalitarismo com imagens que se tornaram emblemáticas.

Segundo o relato do Die Zeit, Metropolis ganha uma outra dimensão com as cenas posteriormente cortadas. O papel dos protagonistas, por exemplo, só se tornaria realmente compreensível no contexto original. Outras cenas, como a do resgate das crianças da cidade subterrânea, seriam muito mais dramáticas.

A cópia recém-descoberta foi parar em Buenos Aires através da distribuidora argentina Terra, em 1928. Logo depois, um crítico de cinema adquiriu-a para seu arquivo pessoal, onde ela ficou guardada até a década de 1960.

Longo trajeto da cópia perdida

Com a venda dos rolos do filme ao Fundo Nacional das Artes da Argentina, a versão original de Metrópolis chegou a uma instituição pública, mas ninguém suspeitava de sua importância.

Em 1992, os rolos foram incorporados à coleção do Museo del Cine, cuja direção foi assumida por Paula Félix-Didier em janeiro passado. Seu ex-marido, diretor do departamento de cinema do Museu de Arte Latino-Americano, foi quem aventou a hipótese de tratar-se de uma cópia desconhecida de Metrópolis, após ter ouvido o diretor de um cineclube dizer quanto tempo a projeção do filme havia durado. Ao assistirem a essa versão, Félix-Didier e seu ex-marido descobriram cenas desconhecidas até então.

A película do Metrópolis reencontrado está arranhada e, após 80 anos, carece de restauração. Mas os especialistas garantiram que todas as cenas ainda estão perfeitamente visíveis. (sm)

Leia mais