Venezuela pede que Trump anule decreto definindo país como ameaça | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 23.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Venezuela

Venezuela pede que Trump anule decreto definindo país como ameaça

Ministra do Exterior diz esperar que o novo presidente dos EUA "não siga o caminho da obsessão e irracionalidade". Em 2015, Obama emitiu a ordem que tacha a Venezuela como uma "ameaça incomum e extraordinária".

Ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez

Ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez

A Venezuela pediu ao recém-empossado presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que anule o decreto assinado por seu antecessor, Barack Obama, classificando o país sul-americano como ameaça à segurança americana, declarou a ministra venezuelana das Relações Exteriores, Delcy Rodríguez, em entrevista televisiva irradiada no domingo (22/01).

"A Venezuela pede que essa ordem executiva seja anulada, e esperamos que o presidente Trump não siga o caminho da obsessão e irracionalidade", disse, no canal privado Televen. Rodríguez acusou Obama de ter tido uma "obsessão irracional" pelo governo venezuelano e disse estar "na expectativa" em relação a Trump, defendendo o restabelecimento de "relações respeitosas".

Também no domingo, em seu programa Los domingos con Maduro, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou: "Desejo que no transcurso dos próximos dias e meses possamos constituir relações de comunicação e respeito entre a República Bolivariana da Venezuela, berço dos libertadores, e os Estados Unidos da América do Norte."

Ele destacou que seu país quer ter "as melhores relações políticas, energéticas e econômicas" com os americanos, mas sempre com base no respeito, na comunicação e na "não ingerência em assuntos internos". Além disso, deseja "o melhor" para os EUA, esperando que seus governos e "suas elites políticas e econômicas" construam relações de respeito e de cooperação com toda América.

Washington e Caracas retiraram os embaixadores das respectivas capitais desde 2010. A tensão se aprofundou em 2015, quando Obama emitiu um decreto tachando a Venezuela de "ameaça incomum e extraordinária" à segurança americana.

PV/lusa/efe/ab

Leia mais