Venezuela fecha fronteira com Brasil por 72 horas | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 13.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Venezuela fecha fronteira com Brasil por 72 horas

Após selar passagem para Colômbia, governo Nicolás Maduro controla também entradas em Roraima. Justificativa é combater "máfias" que contrabandeiam moeda local para, segundo Caracas, desestabilizar economia venezuelana.

Depois de anunciar o fechamento da fronteira com a Colômbia por 72 horas, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, determinou, também nesta terça-feira (13/12), o bloqueio da fronteira com o Brasil, na cidade de Pacaraima, norte do estado de Roraima, pelo mesmo período de tempo.

A determinação foi confirmada pelo cônsul-adjunto da Venezuela em Roraima, José Martinez, ao portal de notícias G1.

De acordo com Martinez, a fronteira será reaberta às 0h da próxima quinta-feira (15/12). A medida, publicada em decreto oficial, foi justificada para enfrentar as "máfias" de contrabando da moeda venezuelana que operam nessa região.

A medida já tinha sido anunciada para a fronteira da Colômbia. "Apreendemos 64 milhões de bolívares que estavam sendo passados por caminhos e estradas, pelo que decidi fechar a fronteira com a Colômbia por 72 horas", declarou Maduro nas estações de rádio e televisão estatais, nesta terça-feira.

No último domingo, o líder venezuelano anunciou o recolhimento das notas de 100 bolívares para fazer frente a essas supostas "máfias" que, segundo ele, estariam armazenando as notas para desestabilizar a economia do seu país.

O presidente afirmou que se trata de um ataque de máfias estrangeiras em conjunto com a oposição da Venezuela, "através de uma ONG contratada pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos".

A medida para eliminar a nota surge no momento em que o Banco Central da Venezuela anuncia seis novas notas, de 20.000, 10.000, 5.000, 2.000, 1.000 e 500 bolívares, e mais três moedas, de 100, 50 e 10 bolívares, para se adaptar à galopante inflação que afeta o país.

TMS/lusa/efe

Leia mais