Vencedor das eleições no Iraque quer negociar com todos os partidos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Vencedor das eleições no Iraque quer negociar com todos os partidos

Com vitória apertada, Ayad Allawi começa a negociar coalizão parlamentar para governar o Iraque e quer falar com todos os partidos. Atual primeiro-ministro, Nouri Al-Malaki, contesta o resultado das urnas.

default

Ayad Allawi faz discurso após anúncio da vitória

O vencedor das eleições parlamentares no Iraque, Ayad Allawi, começou neste sábado (27/03) as negociações para formar uma coalizão de governo.

"O governo precisa ser forte, capaz de tomar decisões que sirvam ao povo iraquiano e que tragam paz e estabilidade ao Iraque", argumentou Allawi, que já exerceu o cargo de primeiro-ministro no país.

O resultado da votação de 7 de março foi anunciado nesta sexta-feira. O bloco liderado por Ayad Allawi obteve 91 das 325 cadeiras do Parlamento, já o do atual primeiro-ministro, Nouri Al-Malaki, ficou com 89 assentos.

A Aliança Nacional Iraquiana, que reúne partidos religiosos xiitas, ficou em terceiro lugar com 70 cadeiras. E os dois principais partidos curdos obtiveram 43 posições.

Malaki se recusou a aceitar a derrota e alegou que os números divulgados são preliminares. Segundo informou um porta-voz do atual governo neste sábado, o resultado das eleições será contestado na Justiça e uma recontagem manual será pedida. Malaki ficará no poder interinamente até que o novo primeiro-ministro seja eleito.

Allawi corre contra o tempo para formar um bloco forte. O vencedor disse que a oferta está aberta a todos os partidos, sem exceções. "Isso vale para a coalização do governo vigente sobre a direção de Nouri Al-Malaki."

Anschlag im Irak Flash-Galerie

Eleições de 7 de março também foram marcadas por ataques a bomba

Repercussão do resultado

As eleições iraquianas foram elogiadas pelos Estados Unidos e pelas Nações Unidas. Segundo declarações oficiais norte-americanas, não há evidências de fraudes e o resultado da votação é confiável. Dentro de duas semanas, a corte iraquiana deve dar a aprovação final do resultado das eleições.

Em meio ao anúncio do ganhador parlamentar, um ataque a bomba matou pelo menos 52 pessoas em Bagdá.

NP/dpa/afp/lusa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais