Veiculação de mensagens neonazistas mostra falhas no comércio online | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 25.06.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Veiculação de mensagens neonazistas mostra falhas no comércio online

Selo com perfil do vice de Hitler, Rudolf Hess, camisetas que denunciam o fabricante e a divulgação oficial de dados pessoais de cidadãos na internet mostram falhas no sistema de ofertas online.

default

Automatização pode ser usada de várias formas

Como o país das máquinas e da logística, a Alemanha reúne as melhores condições para o desenvolvimento do setor de serviços através da internet. Até mesmo o carteiro não se faz necessário, já que a encomenda pode ser recebida ou enviada na caixa automática de correio.

A economia de mão-de-obra não é a única conseqüência da automatização de serviços. A internet possibilita a personalização do desejo de compra de um consumidor cada vez mais exigente e permite, por exemplo, que funcionários de uma repartição pública tenham acesso aos dados dos cidadãos.

No entanto, a recente disponibilização de dados de milhares de cidadãos alemães na internet, como também uma encomenda online de neonazistas e de uma blogueira mostraram falhas nas vantagens do mundo automatizado que o setor de serviços já há muito descobriu.

Selo de Hess

Rudolf Heß

Deutsche Post emitiu selos com perfil de Hess

Desde fevereiro, clientes da Deutsche Post (companhia de correios alemães) podem encomendar envelopes e selos personalizados através da internet. Para tal, basta o freguês enviar uma foto digital para o servidor dos correios. Esta será então impressa em forma de selo, que poderá ser usado normalmente na correspondência. Para evitar o mau uso, um grupo de 12 pessoas é responsável pelo controle das fotos enviadas, informou a Deutsche Post.

Isto não impediu, no entanto, que neonazistas tenham enviado a foto de perfil do vice de Hitler, Rudolf Hess, condenado à prisão perpétua após a Segunda Guerra, que foi impressa em 20 selos dos correios alemães em março último. A ação só veio a público porque os próprios neonazistas se vangloriaram do fato na sua página de internet.

"Normalmente, não há problemas, só com a foto de Hess deu errado", afirmou o porta-voz dos correios Dirk Klasen à emissora WDR. Os correios não desistirão de sua oferta online e acirrarão o controle dos selos personalizados, explicou Klasen, salientando, no entanto, que "100% de segurança não é possível". Os correios teriam que aumentar seu grupo de controladores para 500 especialistas, explicou.

Camisetas da Tchibo

A Tchibo, uma das maiores torrefações de café da Alemanha, que domina também o mercado online de não-alimentos, retirou sua oferta de impressão de camisetas personalizadas através da internet, após a blogueira e ativista do Greenpeace Kirsten Brodde, que há muito se ocupa de processos de produção de vestimentas, ter encomendado duas camisetas com os dizeres "Camisetas da Tchibo: feitas por um salário de fome" e "Esta camiseta foi costurada por uma criança para a Tchibo".

Para a surpresa de Brodde, as camisetas lhe foram enviadas no começo de junho. A responsável pelo blog Grüne Mode (moda verde) posou então com uma delas em frente a uma loja da Tchibo em Hamburgo, conclamando os passantes a indagá-la sobre a camiseta que vestia. Depois de pouco mais de meia hora, policiais encerraram a ação da blogueira.

Sobre o assunto, a Tchibo informou à revista Spiegel Online que "estamos contentes que descobrimos lacunas em nosso controle de qualidade através da ação da Sra. Brodde". Informada anteriormente sobre o fato pela própria blogueira, a Tchibo exigira a devolução das camisetas, oferecendo em troca, além do preço de compra, um pacote de café de comércio justo – que não se pode comprar nas lojas da Tchibo, comenta a Spiegel Online.

Serviços de internet de repartições públicas

Die Bloggerin Kirsten Brodde bestellt bei Tchibo zwei Wunsch T-Shirts

Brodde com cartaz: 'Perguntem pela minha camiseta'

Falhas de controle podem ser usadas para ações de conscientização, mas podem também prejudicar milhares de cidadãos. Este foi o caso da colocação, por engano na internet, dos dados de centenas de milhares pessoas por parte das prefeituras alemãs. A culpa foi de uma firma de software, cujo erro foi constatado somente na semana passada. Dados como endereço, estado civil, religião, data de nascimento e até mesmo fotos estavam disponibilizados online.

Por falta de atenção dos programadores, a firma de software HSH publicou em sua página de internet a senha de acesso aos dados de cidadãos inscritos em prefeituras de toda a Alemanha, que por sua vez não modificaram as senhas dos programas instalados pela HSH. Segundo a mídia alemã, o número de municípios afetados poderia chegar a 200.

A firma HSH admitiu o erro, mas afirmou que somente 15 municípios foram prejudicados. HSH já se corrigiu, mas, como afirmou a porta-voz de política interna da bancada do Partido Liberal no Parlamento alemão, Gisela Piltz, casos deste tipo abalam a confiança nos serviços de internet de repartições públicas.

Leia mais