Vazamento do WikiLeaks gera desconforto diplomático | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.11.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Vazamento do WikiLeaks gera desconforto diplomático

Os documentos foram produzidos em embaixadas norte-americanas de todo o mundo e trazem opiniões pessoais – e picantes – de figuras importantes do cenário internacional.

default

Logo do site Wikileaks

O novo vazamento de informações pelo site WikiLeaks trouxe mais desconforto aos Estados Unidos e a líderes da comunidade internacional. Os documentos revelados neste domingo (28/11) trazem dados chocantes de episódios diplomáticos – são mais de 250 mil relatórios produzidos por funcionários do governo norte-americanos em todo o mundo entre 2003 e fevereiro de 2010.

Segundo os relatórios divulgados pelo site, diplomatas de outros países eram espionados por norte-americanos: funcionários da secretaria de Estado, a pedido do governo, relatavam particularidades de altos representantes estrangeiros.

As informações recolhidas pelos Estados Unidos eram enviadas, posteriormente, a embaixadas em países como África, Oriente Médio, Leste Europeu e América Latina, assim como a representantes norte-americanos nas Nações Unidas.

Os documentos foram distribuídos pela WikiLeaks na Europa a publicações de grande circulação de vários países, como o Der Spiegel, Guardian, Le Monde e El País. Para o diretor do site que vazou as informações, Julian Assange, trata-se de "uma história diplomática dos Estados Unidos" que cobre "os principais temas".

Relações diplomáticas na berlinda

Em meio a diversas opiniões emitidas por diplomatas, consta a impressão dos norte-americanos sobre o ministro alemão de Relações Exteriores, Guido Westerwelle. O ministro é visto como incompetente e dono de uma personalidade inquieta, diz um relatório de 22 de setembro de 2009.

Já a chanceler federal é citada como Angela "Teflon" Merkel: a líder não se deixaria abater por quase nada e, ainda segundo os documentos vazados, ela raramente seria criativa e "evitaria riscos". Dentre os 250 mil documentos revelados pela WikiLeaks, 1719 foram produzidos pela embaixada norte-americana em Berlim.

John Kornblum, ex-embaixador norte-americano na Alemanha, vê o desenvolvimento de uma crise a partir desse novo vazamento. Para Kornblum, os diplomatas irão pensar duas vezes antes de ter qualquer conversa com um representante norte-americano e, depois desse fato, será preciso, segundo ele, restabelecer uma nova relação de confiança.

Ex-embaixador alemão em Washington, Wolfgang Ischinger vê "danos severos para a política externa", principalmente para as relações intergovernamentais pouco estáveis. Apesar de o conteúdo dos documentos relevados não ser amigável, "as relações teuto-americanas devem sobreviver", acredita Ischinger.

Espionagem

Dentre as atividades de espionagem estavam o levantamento de dados, como detalhes de cartão de crédito, e-mail e chamadas telefônicas de nomes encomendados pelo governo norte-americano. A própria secretária de Estado, Hillary Clinton, teria pedido que seus diplomatas relatassem informações técnicas sobre o sistema de comunicação de altos representantes das Nações Unidas, incluindo o secretário-geral, Ban Ki-moon.

Os documentos revelados também mostram que os Estados Unidos repreenderam a China diversas vezes por permitir o transporte de componentes de mísseis da Coreia do Norte para o Irã através de seu território.

Há ainda memorandos sobre os planos chineses de golpear o Google, sobre a promoção de uma reunificação na península coreana depois de um eventual colapso da Coreia do Norte, e o relato do pedido do rei da Arábia Saudita aos Estados Unidos para que bombardeassem o Irã a fim de conter sua corrida nuclear, entre outros.

O Brasil também é citado nos documentos secretos: diplomatas norte-americanos que trabalham no país teriam recebido ordens de verificar a possível atividade da organização Al-Qaeda nas fronteiras entre Paraguai e Argentina. As informações coletadas teriam sido enviadas à embaixada em Assunção.

Ainda segundo os memorandos, os Estados Unidos queriam saber se o Paraguai apoiava a "guerra contra o terror" promovida pelos norte-americanos, "incluindo sua posição regional e internacional e seu apoio e oposição às políticas norte-americanas contra o terrorismo".

Ataque e condenação

O site principal da WikiLeaks, que está disponibilizando os documentos confidenciais aos internautas, amanheceu nesta segunda-feira sob ataque cibernético.

A Casa Branca condenou o vazamento das informações e disse tratar-se de uma "ação imprudente e perigosa" que ameaçam vidas. "Para ser claro, essas revelações colocam em risco os nossos diplomatas, profissionais de inteligência e pessoas ao redor do mundo que procuram os Estados Unidos para obter assistência, promover democracia e para um governo aberto", disse em comunicado o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs.

NP/rts/dpa/afp/dapd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais