1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Vaticano critica edição especial do "Charlie Hebdo" sobre atentado

Para jornal católico, semanário satírico desrespeita fiéis de todas as religiões ao colocar um deus armado na capa e chamá-lo de assassino. Edição especial tem 1 milhão de exemplares.

O Osservatore Romano, diário oficial do Vaticano, criticou a edição do Charlie Hebdo que lembra, nesta quarta-feira (06/01), o primeiro aniversário do atentado terrorista ao semanário satírico francês, afirmando que o periódico francês desrespeita fiéis de todas as religiões.

A publicação satírica lançou uma edição especial, de 32 páginas, com uma tiragem de cerca de um milhão de exemplares, trazendo na capa um deus barbudo, ensanguentado e armado com uma kalashnikov, com a manchete: "Um ano depois, o assassino ainda está à solta".

Dentro da edição, há uma charge em que a equipe do Charlie Hebdo é retratada como na famosa pintura A Última Ceia, de Leonardo da Vinci. Uma série de outros desenhos e textos fazem referência ao ataque de 7 de janeiro de 2015. Também foram impressas antigas caricaturas feitas por pessoas que morreram no atentado, como os cartunistas Charb, Cabu, Honoré, Tignous e Wolinski.

A edição especial segue a tradição do periódico, que exerce uma crítica mordaz da religião. O jornal se vê como vanguarda na luta contra o fundamentalismo religioso e a favor do secularismo, o que rendeu à sua equipe uma série de processos e ameaças, além do atentado mortal.

Frankreich Erster Jahrestag Charlie Hebdo Anschläge Grafitti

Grafite na antiga sede do "Charlie Hebdo" mostra cartunistas assassinados

"Jornal não contribui para a coesão social"

"Atrás da bandeira enganadora de uma laicidade sem compromissos, o semanário esquece, uma vez mais, aquilo que tantos dirigentes religiosos de todas as confissões não deixam de repetir para rejeitar a violência em nome da religião: usar Deus para justificar o ódio é uma verdadeira blasfêmia, como disse em várias ocasiões o papa Francisco", afirmou o Osservatore Romano.

O jornal do Vaticano citou, ainda, o presidente do Conselho Francês do Culto Muçulmano, Anouar Kbibech, que considerou que a charge "agride todos os fiéis de várias religiões" e não contribui para a coesão da sociedade francesa num momento difícil.

Frankreich Francois Hollande enthüllt Gedenktafel in Paris

Hollande inaugura placa em homenagem aos mortos no atentado ao "Charlie Hebdo"

No ano passado, a bordo do avião na viagem de regresso das Filipinas, o papa Francisco afirmou que a liberdade religiosa, assim como a liberdade de expressão, é um valor inalienável. Mas Francisco advertiu que a liberdade de expressão não deve ser usada para a ofensa e o insulto.

Ameaças à imprensa

Em Paris, as vítimas dos ataques de janeiro 2015 foram lembradas nesta terça-feira. O presidente francês, François Hollande, inaugurou três placas em homenagem aos mortos, uma no prédio onde ficava a redação do Charlie Hebdo e duas em outros locais dos atentados.

A equipe do Charlie Hebdo, que hoje trabalha num novo e secreto endereço, afirmou que se sente isolada na defesa da liberdade de expressão, apesar das recentes manifestações de solidariedade. "Nós nos sentimos tremendamente sozinhos. Esperávamos que outros também se dedicassem à sátira", lamentou o diretor de Finanças, Eric Portheault. "Mas ninguém se une a nós nessa luta porque ela é perigosa. Você pode morrer", concluiu.

MD/afp/lusa/dpa/epd

Leia mais