1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Varoufakis diz que Grécia vai cooperar com credores

Com provável vitória do "não" em referendo, ministro das Finanças grego afirma que o país vai buscar um "ponto em comum" com os credores da dívida e que resultado sinaliza um "basta" à austeridade.

Com a provável vitória do "não" no referendo sobre as propostas apresentadas pelos credores internacionais, o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, afirmou que a Grécia vai aumentar a cooperação com os financiadores da dívida do país. O ministro ressaltou que a votação representa um "grande sim" à democracia na Europa e um "basta" à austeridade.

"Com esse bravo 'não' dado pelo povo grego vamos estender nossa cooperação com nossos pares”, declarou o ministro.

Com 75% das urnas apuradas, estimativas indicam que cerca de 60% dos gregos rejeitaram as medidas de austeridade impostas pelos financiadores da dívida grega em troca da liberação do resgate econômico ao país.

Em entrevista ao diário Tagesspiegel, o ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, afirmou que, com a provável rejeição das exigências dos credores, será difícil conceber um novo programa de resgate à Grécia.

"Com a rejeição das regras da zona euro, é difícil imaginar negociações sobre um programa no valor de bilhões ", disse. "Tsipras e seu governo estão levando o povo grego a um caminho de abandono amargo e de desesperança ", acrescentou.

Segundo Gabriel, o primeiro-ministro Alexis Tsipras derrubou as "últimas pontes" para um possível acordo entre a Grécia e a Europa.

A líder do partido socialista grego Pasok, Fofi Gennimata, pediu que Tsipras "cumpra os compromissos" e apresente aos credores um "acordo sustentável" nas próximas 48 horas.

Erguendo a bandeira nacional, milhares de pessoas comemoram o resultado parcial do referendo na praça Sintagma, em Atenas. Os mais de 19 mil locais de votação abriram às 7h (horário local) e foram fechados no início da noite.

A chanceler alemã Angela Merkel irá se reunir nesta segunda-feira em Paris com o presidente francês, François Hollande, para discutir o resultado do referendo. De acordo com o Palácio do Eliseu, sede do governo da França, o encontro marca a "cooperação permanente entre França e Alemanha para contribuir com uma solução duradoura para a Grécia."

Credores

O Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Central Europeu (BCE) e a Comissão Europeia exigiram durante a semana uma série de reformas ao governo grego em troca de ajuda financeira.

De acordo com o documento, Atenas poderia receber 15,5 bilhões de euros em financiamentos da União Europeia e do FMI, em quatro parcelas, até o final de novembro.

Entre as demandas necessárias para Atenas receber o valor estão a redução de pensões, cortes nos salários de funcionários públicos, aumento de impostos sobre alimentos, restaurante e turismo, e a eliminação de isenções fiscais em ilhas turísticas – o que já causou protestos no país, onde o desemprego atinge um quarto da população.

Na última terça-feira, expirou o prazo para Atenas quitar uma dívida de 1,6 bilhão de euros com o FMI. As negociações entre o primeiro-ministro Alexis Tsipras e os credores internacionais se arrastaram por cinco meses sem acordo.

KG/afp/dpa/rtr/lusa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados