UPPs precisam de ajustes para evitar fracasso | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 26.08.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

UPPs precisam de ajustes para evitar fracasso

Especialistas criticam aumento desordenado do contingente policial e concentração de unidades perto de áreas nobres do Rio de Janeiro. Objetivo principal de aproximar polícia e comunidade não foi alcançado.

Prestes a completar seis anos, o modelo das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro evidencia erros de gestão. Se, nos primeiros dois anos, o projeto provocou uma queda significativa no número de homicídios e roubos – 75% e 50%, respectivamente –, as estatísticas deste ano lembram o cenário dos tempos anteriores à instalação da primeira UPP, no Morro Santa Marta, em novembro de 2008.

A tendência de redução nas ocorrências de crimes mais graves se inverteu nos últimos dois anos. No primeiro trimestre de 2014, o Instituto de Segurança Pública do Rio registrou 1.459 assassinatos – número próximo aos 1.562 casos de 2008. Em 2012 foram 1.100.

Com 38 unidades implantadas e um efetivo de cerca de 9,5 mil policiais militares (PMs), o projeto não alcançou um dos seus objetivos principais: aproximar a polícia da população das favelas. Nesta semana, o Ministério Público denunciou três PMs da UPP do Jacarezinho, no subúrbio do Rio, suspeitos de participar do estupro de três moradoras da comunidade.

"A relação entre a UPP e a comunidade ainda é extremamente tensa. Não se construiu um policiamento de proximidade, e a maioria dos policiais não quer trabalhar em comunidades pacificadas. Ao que seria um primeiro passo – introduzir o policiamento e acabar com a disputa pelo território – deveria se seguir a construção de uma relação diferente, mas isso não foi feito", avalia o sociólogo Ignacio Cano, professor da Uerj.

Ao lado de outras políticas, como o sistema de metas de prevenção para os policiais, as UPPs tiveram inicialmente um impacto positivo, mas, no decorrer da implantação das unidades, nada foi avaliado e ajustado, segundo Cano. "Os gestores públicos se convenceram de que apenas a continuidade das políticas seria o suficiente. Houve uma certa inércia quanto às políticas de segurança para lidar com as milícias, por exemplo", critica.

Geografia da pacificação

Autor de diversos estudos sobre o impacto das UPPs e a atuação de milícias no Rio de Janeiro, Cano critica também a estratégia de escolha das comunidades a serem pacificadas. Ele diz que o governo estadual prioriza a zona sul e o centro e deixa de atender comunidades violentas da periferia. "O projeto de expansão é pensado de forma a transformar o Rio de Janeiro num centro internacional de turismo e negócios. O foco geográfico do projeto tem que mudar", argumenta.

Segundo Cano, as próximas comunidades deveriam ser escolhidas com base nos níveis locais de violência. "É necessário reduzir o contingente onde a situação está melhor, como na comunidade Dona Marta, por exemplo, e aumentar o número de policiais onde há uma situação de descontrole", diz. "É preciso fazer ajustes mais finos e, assim, evitar homicídios."

O cientista político Jorge da Silva, ex-secretário estadual de Direitos Humanos do Rio de Janeiro e ex-coronel da Polícia Militar, critica a má distribuição dos policiais entre as UPPs e o restante do estado. "Começaram a formar PMs como em uma linha de montagem. Um treinamento às pressas não dá certo. O morador teme o traficante e não confia na polícia. O que era um programa específico foi transformado numa política para todo um estado", afirma.

Na comunidade da Rocinha, o contingente para atender 71 mil moradores é de 700 policiais, enquanto que em São Gonçalo, na região metropolitana, o efetivo policial é praticamente o mesmo: 750 homens. O município tem mais de 1 milhão de habitantes.

"A política de segurança pública foi reduzida à UPP e à cidade do Rio de Janeiro. A situação é crítica na região metropolitana e no interior do estado. É preciso retomar os projetos sociais, distribuir melhor o efetivo e evitar a expansão desordenada desse modelo", alerta Silva.

UPPs e as eleições

Nessas eleições, a continuidade do projeto das UPPs está no discurso dos candidatos ao governo do Rio de Janeiro. Marcelo Crivella (PRB) e Luiz Fernando Pezão (PMDB) querem ampliar a estratégia de expansão. Lindbergh Farias (PT) sugere "aperfeiçoamentos", com aumento dos serviços sociais nas comunidades pacificadas, e Anthony Garotinho (PR) quer transformar as UPPs em "companhias legais", com a oferta de equipamentos culturais e defensoria pública.

"Os candidatos dizem que vão continuar o projeto, mas sem muita ênfase e convicção. O projeto é visto como sendo do governo anterior. Hoje, o projeto já sofre críticas, e a visão sobre ele já não é tão positiva", avalia Cano.

Para a pesquisadora Barbara Mucumeci Mourão, coordenadora do estudo UPPs: o que pensam os policiais, realizada pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, a percepção sobre o desenvolvimento do projeto precisa ser complexa.

"Quem for governar o Rio deve vir para ajudar, no sentido de aprimorar a política e não levá-la para os piores caminhos. É um processo ainda em curso. O modelo de UPP não está pronto e não há certeza sobre onde esse projeto vai parar", avalia.

Leia mais