1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Universidade de Berlim homenageia "aluno rejeitado"

Universidade Humboldt de Berlim concede título de doutor honoris causa ao papa da crítica literária alemã, Marcel Reich-Ranicki, cuja matrícula rejeitara durante a Segunda Guerra Mundial.

default

Ranicki diz que literatura o salvou do Holocausto

Pela primeira vez nos últimos 69 anos, Marcel Reich-Ranicki pôs os pés na Universidade Humboldt de Berlim, nesta sexta-feira (16/02). Ele foi homenageado com o título de doutor honoris causa pela instituição que, em 1938, recusou sua matrícula por ser judeu.

"Aquela rejeição é irreparável", disse o reitor da universidade, Christoph Markschies. Ele falou da responsabilidade de "uma instituição que se entregou sem escrúpulos a duas ditaduras" [a nazista e a socialista].

Segundo Markschies, "os anos marrons e vermelhos não foram um acidente. Trata-se de uma culpa histórica, que não poderá ser paga nem esquecida". O prefeito de Berlim, Klaus Wowereit, disse que a homenagem a Ranicki "é um reconhecimento tardio da culpa alemã".

"Dificilmente se encontrará alguém que tenha feito tanto pela literatura alemã da segunda metade do século 20 quanto o fez Marcel Reich-Ranicki", afirmou o ministro alemão da Cultura, Bernd Neumann.

"Mágico do subjetivo"

60 Jahre danach - Bildgalerie - Warschau 03/20

Invasão alemã do gueto de Varsóvia em 1943

Nascido em 1920 na Polônia, Ranicki tinha nove anos quando a família se mudou para Berlim. Devido à origem judaica, foi deportado em 1938, mas conseguiu sobreviver com sua esposa ao gueto de Varsóvia. O restante da família morreu nas câmaras de gás de Treblinka.

"Após a guerra, o crítico devolveu a literatura e a língua alemã como presente", disse Neumann. O orador e amigo de Ranicki, Peter Wapnewski, o classificou como um "mago do subjetivo".

Ranicki disse que não sentiu "ódio nem indignação" ao voltar a Berlim, pela primeira vez em 1946. "Berlim também não me pareceu destruída. Eu vinha de Varsóvia". Perguntado como conseguiu sobreviver ao nacional-socialismo, ele respondeu: "Foi possível sobreviver porque eu tinha tanta coisa da literatura alemã na minha memória".

O próprio Ranicki já virou protagonista de romance – com papel pouco lisonjeiro – na Alemanha. Há cinco anos, revelações sobre sua atuação no serviço secreto polonês causaram polêmica no país.

Leia mais