1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Unicef alerta sobre situação das crianças no Iêmen

Agência da ONU afirma que ao menos 74 crianças morreram desde o acirramento dos combates e alerta para a escassez de água e medicamentos. Coalizão liderada pela Arábia Saudita realiza ataques aéreos contra rebeldes.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgou nesta segunda-feira (06/04) que mais de 100 mil pessoas no Iêmen tiveram que abandonar suas casas em busca de refúgio e que dezenas de crianças morreram desde o acirramento dos

combates no país

, há cerca de duas semanas. O total de mortos já chega a 540.

O Unicef afirma que a violência prejudica o fornecimento de água a regiões do sul do país e que em alguns locais há transbordamento de esgoto, o que pode causar surtos de doenças. Hospitais sofrem com a carência de recursos para tratar de um grande número de feridos. Alguns centros médicos também foram alvos de ataques, que mataram ao menos três profissionais de saúde.

O representante da agência no Iêmen, Julien Harneis, ressaltou que as crianças são as mais vulneráveis. "Elas estão sendo mortas, mutiladas e forçadas a abandonar suas casas, sua saúde está sendo ameaçada, e a educação, interrompida", diz Harneis, em nota divulgada nesta segunda-feira em Amã, na Jordânia.

Segundo o porta-voz do Unicef Christophe Boulierac, cerca de um milhão de crianças estariam impedidas de irem à escola. Ele afirmou que o número de mortes entre elas inclui as que morreram diretamente nos combates ou por causas indiretas.

Ao menos 74 crianças perderam suas vidas e 44 ficaram feridas desde o dia 26 de março, quando foi iniciada a

campanha militar liderada pela Arábia Saudita

contra os rebeldes xiitas no Iêmen.

O país vive uma guerra civil após os rebeldes xiitas houthis e seus aliados, entre eles militares fiéis ao presidente deposto Ali Abdullah Saleh, iniciarem uma ofensiva contra o governo do presidente

Abd Rabbuh Mansur al-Hadi

.

Uma coalizão liderada pelos sauditas, que apoiam Hadi, realiza ataques aéreos na tentativa de deter os avanços dos insurgentes.

Na segunda-feira, os combates se intensificaram em

Áden, a segunda maior cidade do Iêmen

. Os rebeldes tentam tomar o controle do local, cidade portuária tida como o maior bastião dos apoiadores de Hadi.

"As condições são bastante perigosas no momento", afirmou a médica da Unicef em Áden, Gamila Hibatullah. "Os hospitais estão superlotados e até ambulâncias foram sequestradas."

A agência informou que está fornecendo combustível para o bombeamento de água no sul do país. Em outras regiões, há relatos de que a água se acumula nas ruas, fazendo com que haja transbordamento de esgoto.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou nesta terça-feira que o conflito causou mais de 540 mortes e deixou cerca de 1.700 feridos desde o dia 19 de março.

RC/afp/ap

Leia mais