1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Unicef: 87 milhões de crianças vivem em meio à guerra

Órgão da ONU lança alerta sobre geração que sofrerá efeitos permanentes devido a infância em meio à violência diária. Experiências traumáticas afetam desenvolvimento cerebral, repercutindo na vida adulta.

Crianças observam escavadeira operando entre ruínas da cidade de Kobane, na Síria

Crianças entre ruínas da cidade de Kobane, na Síria

Uma criança que cresce em países como Síria, Afeganistão, Somália, Sudão ou em outros lugares em crise muito provavelmente já viveu experiências traumáticas, que podem afetar até mesmo adultos. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), 87 milhões de crianças no mundo não conhecem outra coisa a não ser a guerra. Elas estão cercadas por morte e destruição, vivem entre bombas e tiros.

Essas experiências têm efeitos extremos sobre a saúde de meninos e meninas, de acordo com os especialistas do Unicef. As vivências traumáticas têm impacto negativo no desenvolvimento do cérebro, e as crianças seriam bastante prejudicadas em seu bem-estar e na capacidade de aprendizado.

Assistir ao vídeo 03:40

Menores refugiados são aliciados pelo EI na Turquia

"Além das ameaças puramente físicas, as crianças estão expostas também ao risco de cicatrizes emocionais profundas", afirma Pia Britto, especialista em desenvolvimento na primeira infância.

"Conflitos roubam segurança e família"

Ao nascer, um bebê tem cerca de 253 milhões de células cerebrais intactas, chamadas neurônios. Eles têm o potencial de se desenvolver rapidamente durante os primeiros sete anos. Na idade adulta, o número de neurônios aumenta para cerca de um bilhão.

Entretanto, para que isso realmente aconteça, as crianças devem ser amamentadas, ter boas condições para aprender e crescer num ambiente seguro. Então, elas podem se desenvolver na sua totalidade, se tornando adultos que contribuem para a economia de seu país e para a sociedade em que vivem.

"Conflitos roubam das crianças a segurança, a família, os amigos, as brincadeiras e o lar", diz Britto. Uma vida em guerra ou em fuga está associada a um estresse extremo, que freia o crescimento de células cerebrais, especialmente nos primeiros sete anos de vida.

Segundo o Unicef, experiências traumáticas podem provocar um choque tóxico nas células cerebrais, com consequências ao longo da vida para o desenvolvimento cognitivo, social e físico.

MD/rtr/dpa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados