União Europeia saúda decisão dos croatas de aderir ao bloco | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 23.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Europeia saúda decisão dos croatas de aderir ao bloco

Mais de 66% dos votantes disseram "sim" à adesão da Croácia à União Europeia. A entrada do país no bloco deve ser formalizada no dia 1º de julho de 2013, depois de ratificada pelos atuais 27 membros.

default

Longo processo de adesão da Croácia começou há sete anos

Em referendo realizado neste domingo (22/01), os croatas aprovaram a adesão à União Europeia (UE) com expressiva maioria e apoio de todos os partidos políticos do país. A única sombra sobre o resultado foi o alto índice de abstenção. Apenas 43,6% dos eleitores registrados compareceram para votar. Aparentemente, ativistas contrários à UE teriam impedido muitos cidadãos de participar da votação.

O premiê Zoran Milanovic saudou o resultado que abre caminho para a adesão à UE em 2013. "A Croácia decidiu tornar-se membro da União Europeia. É uma decisão histórica, possivelmente um divisor de águas na nossa história", disse ele, embora tenha se mostrado decepcionado com a baixa participação dos eleitores.

Para o presidente Ivo Josipovic, o "mais importante é que o 'sim' foi dito". Mas as autoridades devem levar em conta os medos e dilemas das pessoas que votaram contra a adesão, disse. A adesão dependia apenas de maioria simples.

Todos os principais partidos políticos da Croácia são a favor da associação à UE. Eles veem a adesão como um fator vital para consolidar a paz e a recuperação econômica na ex-república iugoslava, que conquistou sua independência em 1995, depois de quatro anos de guerra contra os rebeldes sérvios.

Boas vindas

Kroatien EU Referendum

Milanovic (e), Josipovic e o presidente do Parlamento, Boris Sprem, celebram o "sim"

Em declaração conjunta divulgada na noite deste domingo, o presidente da UE, Herman Van Rompuy, e o chefe da Comissão Europeia, Jose Manuel Durão Barroso, comemoraram o resultado do referendo, dizendo que "isso mostra que a adesão à UE pode ser alcançada com coragem política e resolução para executar reformas. O resultado positivo de hoje é uma boa notícia para a Croácia, para a região e para a Europa".

Os dois líderes ainda acrescentaram que "o governo da Croácia pode agora concluir os preparativos restantes para a adesão, para que a Croácia possa tornar-se o 28º membro da UE no dia 1º de julho de 2013".

Na Sérvia, onde as relações com a Croácia têm melhorado gradualmente, o presidente Boris Tadic foi um dos primeiros a mandar seus cumprimentos. Belgrado também mira a adesão à UE e está à espera de uma resposta de Bruxelas para enviar seu pedido de candidatura oficial.

Nos últimos três anos, a Croácia, cuja economia depende do turismo no mar Adriático, tem passado por dificuldades financeiras. O Banco Central do país prevê que a economia vai encolher 0,2% este ano. Além de seus problemas econômicos, o país precisa lidar com uma série de escândalos de corrupção.

Movimento antieuropeu

Após o anúncio do resultado, um porta-voz de um grupo antieuropeu ameaçou entrar na Justiça, alegando que o alto índice de abstenção invalida o referendo. "Isso é uma derrota para a liberdade e a independência da Croácia. Nós estamos entrando num bloco que está caindo aos pedaços", disse Zeljko Sacic, do grupo Conselho pela Croácia – Não à UE em declaração à televisão nacional.

Mas especialistas explicam que as chances de o referendo ser invalidado são muito pequenas. A lei foi alterada em junho de 2010 justamente para retirar a exigência de participação mínima em referendos.

Kroatien EU Referendum

Menos da metade dos eleitores foi às urnas neste domingo

Longo caminho

Já na época da dissolução da Iugoslávia, em 1991, o governo croata havia colocado a adesão à UE como meta. Só que enquanto outros países pós-comunistas na Europa Central e Oriental fortaleciam suas democracias e abriam caminho em direção à integração europeia, as aspirações da Croácia foram suspensas por causa da guerra (1991-95) e de seu legado.

Somente em 2000 a eleição de um governo pró-Europa permitiu que a Croácia se transformasse numa democracia parlamentar elegível como candidata à UE. No entanto, o entusiasmo pela adesão esfriou com as longas e difíceis negociações que começaram em 2005.

A entrada da Croácia na UE ainda precisa ser ratificada por todos os atuais 27 membros do bloco. Atualmente a Eslovênia é o único membro da UE entre as seis repúblicas que formavam a Iugoslávia. Sérvia, Montenegro, Macedônia e Bósnia também aspiram fazer parte do bloco.

FF/afp/dpa/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais