União Europeia poderá enviar delegação parlamentar ao Irã | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Europeia poderá enviar delegação parlamentar ao Irã

O presidente do Parlamento Europeu pretende incentivar o envio de uma delegação parlamentar para avaliar a situação no Irã. Em Bruxelas, a dissiente iraniana Shirin Ebadi, Nobel da Paz, cobrou intervenção internacional.

default

Violência contra manifestantes preocupa União Europeia

A União Europeia deu sinal de que poderá intervir na situação política do Irã. O presidente do Parlamento Europeu disse na quarta-feira (24/06) que espera organizar uma comissão para visitar o país a fim de analisar os resultados das eleições. "Vou recomendar aos grupos políticos que enviem uma delegação de parlamentares europeus a Teerã o mais rápido possível", afirmou Hans-Gert Pöttering.

Pöttering fez a declaração após um encontro em Bruxelas com a dissidente iraniana Shirin Ebadi, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz. Shirin pediu às Nações Unidas e à União Europeia que intervenham junto ao governo iraniano e cobrem o fim da violência contra os manifestantes.

Ebadi defende a anulação do resultado eleitoral que elegeu Mahmud Ahmadinejad e a convocação de novas eleições, dessa vez sob supervisão das Nações Unidas ou de outra organização internacional.

"Nunca fiz isso antes, mas o assunto é tão sério e importante que estou pronto para ir pessoalmente, como presidente do Parlamento Europeu, prestar minha solidariedade ao povo do Irã", declarou Pöttering. No entanto, alerta que ainda não se sabe se o governo iraniano autorizaria a entrada de uma comissão européia em seu território e que é preciso seguir o protocolo diplomático.

Para o presidente do Parlamento, a atitude do governo do Irã de reprimir as manifestações populares é um sinal de que houve fraude nas eleições. Pöttering também desmentiu as acusações de Ahmadinejad de que a comunidade internacional estaria influenciando as demonstrações contrárias ao regime no Irã.

Recado aos Estados Unidos

Nesta quinta-feira (25/06), Ahmadinejad pediu ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que não interfira nos assuntos internos do Irã. O líder iraniano manifestou sua opinião em resposta à declaração de Obama de que estaria "horrorizado e indignado" com a violência que se seguiu às eleições no país.

Ahmadinejad referiu-se a Obama enquanto discursava na cidade de Assaluyeh, durante a inauguração de uma fábrica petroquímica. O presidente iraniano culpou países como os Estados Unidos e o Reino Unido por estimular a violência em seu território.

NP/reuters/dpa/ap

Revisão: Rodrigo Abdelmalack

Leia mais