1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Europeia estende sanções à Rússia

Estados-membros concordam em prorrogar retaliações econômicas por mais seis meses. Medidas só serão revogadas quando Moscou implementar os termos acordados no tratado de Minsk sobre conflito o ucraniano.

Os Estados-membros da União Europeia (UE) concordaram, nesta sexta-feira (18/12), em estender por mais seis meses as sanções econômicas impostas contra a Rússia por seu envolvimento na crise ucraniana, confirmaram fontes diplomáticas de Bruxelas.

"O Coreper [Comitê de Representantes Permanentes da UE] aprovou a prorrogação das sanções contra a Rússia", disse uma das fontes à agência de notícias AFP, referindo-se a uma reunião formal dos embaixadores dos 28 membros da União Europeia.

A fonte, que pediu para não ser identificada, disse que o procedimento será homologado na segunda-feira, e o anúncio formal será feito na terça-feira. As sanções serão prorrogadas até o fim de julho de 2016.

Originalmente, a decisão era para ter sido simplesmente uma formalidade. Mas ela acabou sendo adiada por duas semanas depois que alguns países, liderados pela Itália, levantaram questões sobre se seria útil punir a Rússia e, ao mesmo tempo, buscar a ajuda de Moscou em questões internacionais, incluindo o conflito sírio.

A Itália, que tradicionalmente possui laços estreitos com a Rússia, queria que os líderes da UE discutissem a questão na cúpula desta semana em Bruxelas. Mas, apesar dos esforços do primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, o tema não foi agendado na pauta do encontro.

A UE impôs sanções econômicas contra a Rússia em 2014, depois que o avião de passageiros MH17 fora abatido ao sobrevoar território ucraniano, em julho. As sanções visam, principalmente, bancos estatais russos, a importação e exportação de armamento, além de bens relativos à indústria russa de petróleo e gás.

Apesar de bilhões de euros em perdas para empresas europeias, as sanções foram

estendidas em meados de 2015

até 31 de janeiro de 2016. Na época, também foi decidido que as restrições comerciais e de investimento só seriam levantadas quando os termos acordados no tratado de paz de Minsk para o conflito ucraniano fossem plenamente implementados. E este não é o caso, ainda.

Também nesta sexta-feira, a Comissão Europeia anunciou outra decisão suscetível a irritar Moscou: ela ofereceu isenção de vistos de curta duração a Ucrânia, Geórgia e Kosovo, países envolvidos em disputas com a Rússia.

Os esforços do Kremlin em obter isenção de visto para a União Europeia deixaram a pauta política devido à crise na Ucrânia, com Bruxelas suspendendo as negociações sobre o tema em março do ano passado.

PV/afp/dpa

Leia mais