União Europeia e EUA decidem adotar sanções contra o regime líbio | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Europeia e EUA decidem adotar sanções contra o regime líbio

Medidas da UE incluem o congelamento de bens da família Kadafi no território europeu e um embargo armamentista. Pacote sai na próxima semana, pois ainda há detalhes para serem definidos.

default

Violência da reação de Kadafi contra manifestantes assusta comunidade internacional

Depois de vários dias de divergências, os países da União Europeia chegaram nesta sexta-feira (25/02) a um acordo sobre sanções contra o regime líbio. O pacote de medidas incluirá restrições a viagens à Europa, congelamento de contas bancárias e proibição da exportação de armas e munição, segundo fontes da União Europeia e do Ministério alemão do Exterior.

Segundo fontes diplomáticas, as divergências políticas entre os países-membros foram resolvidas, e uma decisão formal será tomada no início da próxima semana. Os detalhes estão sendo agora definidos. As medidas necessitam da aprovação de todos os 27 países-membros para entrar em vigor.

"Submetemos propostas concretas de sanções", afirmou o ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle. "Trata-se de um embargo para o comércio de armas, um embargo para o comércio de produtos que podem ser usados na repressão, o congelamento de patrimônio e a proibição de visto para a família no poder."

Também os Estados Unidos decidiram que vão adotar sanções "unilaterais e multilaterais" contra a Líbia, comunicou nesta sexta-feira o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney. Ele não quis adiantar detalhes e disse que as medidas estão sendo finalizadas.

Decisão demorada

A União Europeia demorou para se decidir pela adoção de sanções, apesar da pressão da Alemanha e da França. Principalmente a Itália apresentava restrições, por temer uma onda de refugiados vindos do país árabe em caso de queda do regime do ditador Muammar Kadafi. A violência da repressão do regime contra os manifestantes líbios, porém, falou mais alto.

Também o Conselho de Segurança das Nações Unidas se reúne nesta sexta-feira em Nova York para decidir sobre a adoção de sanções contra os mandatários da Líbia. Alemanha, França e Reino Unido se posicionam a favor de sanções imediatas.

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas adotou resolução recomendando que a Líbia seja suspensa do órgão, além de lançar uma investigação independente sobre possíveis crimes contra a humanidade cometidos pelo regime Kadafi. A suspensão da Líbia foi decidida numa reunião de emergência em Genebra.

Paralelamente à reunião, todos os diplomatas da Líbia em Genebra anunciaram publicamente a intenção de deixar seus cargos, distanciando-se do regime de Kadafi e aderindo à revolução.

A União Europeia decidiu liberar 3 milhões de euros de ajuda imediata aos que buscaram abrigo em países vizinhos, como a Tunísia e o Egito, fugindo da violência na Líbia. Com o dinheiro deverão ser comprados medicamentos, produtos alimentícios, colchões, cobertores e material de higiene.

AS/dpa/rtr/afp/dapd
Revisão: Augusto Valente

Leia mais