União Europeia ameaça Honduras com mais sanções | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Europeia ameaça Honduras com mais sanções

União Europeia aumenta pressão sobre governo interino de Honduras e ameaça com mais sanções caso não seja encontrada em breve saída para a crise política no país centro-americano.

default

Manifestação em Honduras a favor do presidente deposto

Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia (UE) anunciaram em encontro em Bruxelas nesta terça-feira (15/09) que irão reduzir os contatos políticos com os responsáveis pelo golpe de Estado em Honduras até que a crise no país seja resolvida de forma pacífica. Segundo os ministros, a medida atinge todos os políticos hondurenhos que impedirem uma solução negociada.

Em julho último, a Comissão Europeia havia decidido suspender a ajuda concedida a título de apoio ao desenvolvimento do país centro-americano. As sanções deverão continuar em vigor, anunciaram os ministros europeus do Exterior. Eles destacam também que o governo golpista e o presidente deposto devem retornar à mesa de negociações.

Plano de mediação costarriquenho

Em declaração, a União Europeia denunciou violações dos direitos humanos e repressão do governo golpista a manifestações pacíficas. Ao mesmo tempo, sugeriu ao governo interino de Roberto Micheletti que aceite o plano de mediação do presidente da Costa Rica, Oscar Arias.

Manuel Zelaya / Oscar Arias

Arias (à direita) com Zelaya: mediação

O Nobel da Paz de 1987 convidou os seis candidatos à presidência hondurenha para uma reunião em San José. Seu plano prevê a composição de um governo de conciliação nacional, com o retorno do presidente deposto Manuel Zelaya ao cargo, mas com poder restrito. Em contrapartida, Zelaya teria que desistir de mudar a Constituição e de se reeleger. O governo de transição chefiado por Roberto Micheletti rejeita o retorno de Zelaya.

A comunidade internacional vê em Zelaya o presidente legítimo do país centro-americano e não pretende reconhecer os resultados das eleições presidenciais e parlamentares marcadas pelo governo interino para o próximo dia 29 de novembro.

Honduras fica de fora em conferência dos direitos humanos

O conflito em Honduras provocou atrasos na abertura da conferência do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra nesta terça-feira. O presidente do conselho, o belga Alex van Meeuwen, solicitou ao embaixador hondurenho, José Delmer Urbizo, que deixasse o auditório.

Como justificativa, o diplomata belga disse que o enviado de Honduras representa os interesses dos golpistas, não sendo o representante credenciado do governo deposto.

RW/dpa/epd/reuters
Revisão: Augusto Valente

Leia mais