1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Européia "freia" ingresso de países dos Bálcãs

Comissão Européia divulga relatórios sobre situação em países que pretendem fazer parte do bloco e adverte que a UE necessita de reformas institucionais antes de continuar sua expansão.

default

Comissário Olli Rehn prevê para depois de 2009 a entrada de novos países no bloco

Depois de aprovar o ingresso de Bulgária e Romênia, a União Européia (UE) não pretende aceitar novos países no bloco antes de levar adiante reformas que assegurem a capacidade de ação das suas instituições.

A diretriz consta num documento divulgado esta semana pelo comissário de Expansão da UE, Olli Rehn, e significa um freio nas pretensões da Turquia e de países dos Bálcãs, como Croácia e Macedônia, de ingressar na União Européia.

De acordo com Rehn, são necessárias reformas institucionais antes de novos membros serem aceitos, o que não deverá acontecer antes de 2008 ou mesmo 2009. No caso da Croácia, o ingresso está previsto para ocorrer somente no final desta década.

Corrupção e sistema judicial

A União Européia já se comprometeu a aceitar os países dos Balcãs no bloco, mas não especificou prazos e salientou que o ingresso depende dos progressos de cada um dos candidatos na implementação das medidas necessárias. De um modo geral, os principais problemas a serem combatidos são a corrupção e a falta de independência dos sistemas judiciais.

Esta semana foram divulgados relatórios sobre a situação em cada um dos países que pretende entrar no bloco. Além de Croácia e Macedônia, Sérvia, Bósnia-Herzegovina, Albânia, Montenegro e a província separatista sérvia de Kosovo querem fazer parte da União Européia.

As negociações com a Croácia começaram há 13 meses, e a Comissão Européia afirma que o combate à corrupção e a melhoria do sistema judicial continuam sendo os pontos fracos do governo de Zagreb. O país também deve julgar inúmeros casos de crimes de guerra.

Com a Macedônia, foi acertado um acordo de estabilização e associação, visto como um passo inicial para o ingresso do país no bloco. As recomendações desse acordo estão sendo agora implementadas pela Macedônia, que obteve o status de "país-candidato". A comissão avalia que houve progressos, mas que falta a adoção de medidas mais efetivas contra a lavagem de dinheiro e o desemprego. Também o combate à corrupção não é satisfatório.

Sérvia: crimes de guerra

A UE fechou acordo semelhante com a Albânia, mas a implementação das medidas ainda não avançou, o que mantém o país num status inferior ao da Macedônia. O principal problema, na avaliação da Comissão Européia, é a frágil democracia da Albânia.

Com a Bósnia-Herzegovina, a UE está recém negociando um acordo de estabilização e associação. O país carece de uma estrutura administrativa própria e fez poucos avanços na reforma da polícia, avalia a comissão.

No caso de Montenegro, as conversações estão apenas no início. A Comissão Européia vê problemas na administração pública, que necessita ser mais transparente, no sistema judicial, que sofre influências políticas, e no combate à corrupção.

Com a Sérvia, o estágio das conversações foi encerrado, mas o acordo de estabilização e associação não foi assinado porque, na avaliação da UE, o país não colabora o suficiente com o Tribunal Penal Internacional de Haia. As negociações serão retomadas apenas quando supostos criminosos de guerra, entre eles Ratko Mladic, forem presos.

Leia mais