1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Européia espera novos impulsos de Sarkozy

Lideranças políticas européias não poupam elogios ao presidente eleito da França. Embora sintonize politicamente com Barroso e Merkel, Sarkozy tem planos que podem gerar atritos entre Paris, Bruxelas e Berlim.

default

Sarkozy venceu o segundo turno com 53% dos votos

Depois da vitória do conservador Nicolas Sarkosy sobre a socialista Ségolène Royal por 53% a 47% dos votos, neste domingo (06/05), vários líderes políticos europeus esbanjaram elogios sobre o novo presidente francês e disseram esperar dele novos impulsos para a integração européia.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, que atualmente exerce a presidência rotativa da União Européia, disse acreditar que poderá "cooperar muito bem com ele para intensificar as relações teuto-francesas", consideradas uma locomotiva do bloco.

O presidente do grupo parlamentar teuto-francês no Bundestag, Andréas Schockenhoff (CDU), disse que, com Sarkozy, haverá um "bom eixo Berlim-Paris" tanto nas metas da política interna quanto na política européia. "Sua intenção de fortalecer a identidade européia em relação aos EUA coincide também com um desejo da Alemanha", afirmou.

Fã da política econômica de Blair

Sarkosy, por sua vez, deve inicialmente priorizar a política interna e considera a reforma econômica realizada por Tony Blair no Reino Unido como modelo para a França, cuja economia tem um dos índices de crescimento mais baixos da Europa (2,1% em 2006). A taxa de desemprego do país (8,7% em março passado) só é superada pela Polônia e a Eslováquia.

A França é o principal parceiro comercial da Alemanha – comprou cerca de 10% das exportações alemãs em 2006 –, mas o novo presidente já sinalizou que quer estreitar também as relações com o Reino Unido, abaladas no governo Chirac por causa do não francês à guerra no Iraque. Sarkosy "é suficientemente jovem para não ficar amarrado à tradicional aliança teuto-francesa na Europa", disse um porta-voz de Blair nesta segunda-feira.

EUA ou UE?

Um outro sinal de que Sarkosy não dará exclusividade às relações com a Alemanha é que em seu primeiro discurso após a eleição ele destacou a importância da parceria com os Estados Unidos. Na campanha eleitoral, ele prometeu um "diálogo sem arrogância" com Washington.

Mesmo assim, o presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso, espera que o novo presidente francês também desempenhe o "papel de um motor", em se tratando de fortalecer as instituições da UE e de consolidar a política européia.

Innenminister Nicolas Sarkozy bei Angela Merkel in Berlin

Merkel e Sarkozy em 16/02/2006 em Berlim: reencontro em breve

Embora Sarkozy seja um conservador como Barroso e Merkel, alguns analistas prevêem ele poderá ser um parceiro difícil para Bruxelas e Berlim. Ele pretende se encontrar em breve com Merkel para falar sobre um tratado enxuto para a UE [que não mais se chamará Constituição] e sobre a "renovação do eixo teuto-francês e seu conteúdo".

Ceticismo da mídia

Sarkozy tem algumas propostas que prometem causar atritos com os vizinhos e a UE, como sua intenção de limitar a autonomia do Banco Central Europeu ou de sanear o conglomerado aeroespacial EADS em proveito dos acionistas franceses.

Além disso, ele espera que a UE sirva de escudo contra efeitos negativos da globalização e quer proteger a indústria francesa, principalmente a do setor energético, contra incorporações hostis. Pelo menos num ponto ele concorda com Merkel: é contra o ingresso da Turquia na União Européia.

Todos esses planos contrariam a política da Comissão Européia, embora no discurso da vitória Sarkozy tenha garantido que sempre foi um europeu convicto e que "a França está de volta à Europa".

A mídia européia vê essa retórica com ceticismo. Muitos jornais europeus questionaram, nesta segunda-feira, se o novo presidente francês realmente conseguirá cumprir suas promessas eleitorais tanto na política interna quanto na UE, cuja presidência a França assumirá em junho de 2008. (br/gh)

Leia mais