UNIÃO EUROPÉIA E AMÉRICA LATINA | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 24.05.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

UNIÃO EUROPÉIA E AMÉRICA LATINA

Nossos usuários comentaram esta semana sobre União Européia e América Latina, programa nuclear brasileiro, Euro-exército, meio ambiente, Greenpeace e Amazônia. Não deixe de ler!

default

O fato de estar no Brasil a mandatária alemã Angela Merkel já é um passo adiante para se estabelecer um laço mais forte entre a União Européia e a América Latina, demonstrando com isso que ao menos agora há uma aproximação maior por parte dos europeus. Dificuldades para se chegar a um acordo haverá, pois tem sempre alguém discordando dos pontos apresentados, por ambas as partes, sendo a perseverança nas propostas um fato positivo para se chegar a um acordo que proporcione aos latinos saírem da pobreza, que é o que dizem os europeus que eles querem.

Se a Volkswagen fabrica motores aqui no Brasil que utilizam tanto gasolina como álcool, por que os automóveis na Alemanha não podem fazer o memo? Esse é um exemplo para o que se pode fazer para a América Latina, sendo esse um caso referente ao Brasil, existindo uma situação específica para cada país. [...]

Josefino Gonçalves

Creio que a retomada de interesses da União Européia pelos países latino-americanos deve, obviamente, envolver incentivos a uma formação de qualidade dos profissionais desses países. Em especial, cito a área de tecnologia. Se a UE pretende, de fato, auxiliar o desenvolvimento dos países emergentes, ela deve expandir os horizontes de troca de tecnologia. [...]

Muito além de questões políticas, julgo importante o embasamento de metas para cada país em específico, haja vista as discrepâncias entre os países do bloco latino-americano. Essa troca de tecnologias poderia ser extremamente benéfica para ambos os blocos, propiciando desse modo um desenvolvimento sustentável mais concreto. [...]

Fabio Rafael Gauer

A estratégia mais importante é aquela que valorize os interesses de ambas as partes. O Terceiro Mundo carrega o trauma do passado colonialista, que só beneficiava uma das partes. Cabe aos ricos demonstrarem que estão mesmo comprometidos com as mudanças que irá trazer a civilidade para os pobres.
Ariovaldo L. Lucas



PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO

O Brasil não só deve como precisa continuar com seu programa nuclear. Somos o maior país da América do Sul, temos as maiores riquezas naturais e somos hoje uma economia em desenvolvimento, temos que ter uma defesa e uma fonte de energia. Precisamos de investimentos em tecnologia. A energia nuclear, como também a própria utilizaçao de suas matérias-primas para desenvolvimento de armas, é necessária, desde que com responsabilidade. [...]
Junior dos Santos Cardoso

É imbecilidade dizer que se o Brasil tem capacidade de geração hidrelétrica, petróleo e gás, deveria se abster de desenvolver energia nuclear. As opções de fonte de energia se comparam a uma aplicação em bolsa de valores: o portfólio deve e tem que ser variado. Por quê? Num futuro não muito distante, se prevê que os custos de energia subirão muito com a demanda crescente no país, e a energia de hidrocarbonetos não é eterna. Com o mercado aberto no Brasil teremos que reparti-la com os consórcios estrangeiros. [...]

Ricardo Sant'Anna



EURO-EXÉRCITO

A União Européia já deveria ter suas próprias forças armadas, pois entendo que ela não é colônia nem posse de ninguém. É uma comunidade livre, soberana e independente. É uma potência e não deveria permitir ingerência em seus assuntos internos por parte de forças de fora da comunidade. Ela é perfeitamente capaz de ter condições de se defender, sem precisar de apoio externo que venham a prejudicar os interesses da Comunidade. [...]

Clovis Rossi

CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NO BRASIL

No Brasil poucos têm realmente consciência ambiental. Em grandes cidades como São Paulo, basta sair às ruas para ver o descalabro do transporte público e o grande amontoamento de trânsito em qualquer hora ou em quaisquer das vias públicas. E isso sem considerar o recolhimento mal organizado do lixo reciclável ou a imensa utilização de sacolas plásticas para compras, para se falar do mínimo que se podia e se devia fazer. Falar que se faz é uma coisa, pôr para funcionar é mais dificil.
Concetta Garms

GREENPEACE E AMAZÔNIA

O Greenpeace e outras instituições do gênero gostam de opinar sobre o que o Brasil tem que fazer em relação ao seu meio ambiente, porém não têm coragem de exigir dos países ricos medidas concretas com relação à emissão de carbono. Por que não exigem dos norte-americanos diminuir a produção de carros, para que consumam menos e emitam menos poluentes? Por que não exigem também que os americanos reflorestem parte daquilo que devastaram nos séculos passados? Porque só o Brasil é o patinho feio da história? [...]

Burcardo Geller