1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

União Européia cogita sanções contra Israel

Países da UE exigem sanções contra Israel para forçar um cessar-fogo. Em uma semana de ação, o Exército israelense matou 200 palestinos e prendeu 350 supostos terroristas.

default

Ariel Sharon: ações militares prosseguem enquanto houver resistência.

Vários países-membros estão cobrando pressão efetiva da União Européia sobre Israel, a fim de alcançar um cessar-fogo no conflito com os palestinos. A possibilidade de sanções econômicas da comunidade de 15 países contra o Estado judeu já foi discutida na última reunião dos ministros do Exterior, em Luxemburgo, segundo revelou o presidente do Conselho de Ministros, José Piqué, em Veneza, neste domingo (7).

O chanceler da Espanha, país que ocupa a presidência rotativa da UE, esclareceu que é preciso mais discussão para encontrar uma posição comum dos 15 países-membros, pois alguns querem sanções e outros ainda se mostram vacilantes, segundo ele. O ministro do Exterior da Bélgica, Louis Michel, propôs, neste domingo, que a UE reflita sobre os seus acordos comerciais com Israel. Ele considerou "uma ofensa" o fato de o governo israelense ter proibido a missão de alto nível da UE de encontrar-se com o presidente palestino Yassir Arafat.

Como possível reação, o chanceler belga citou um exame do acordo de associação entre Israel e a União Européia, pelo qual os israelenses gozam de condições privilegiadas no comércio com os países comunitários. "Nós temos que discutir sobre isso e verificar se o acordo pode ser mantido, apesar da conduta do primeiro-ministro Ariel Sharon", disse Michel.

Após o retorno da missão fracassada de paz, na quinta-feira (4), a Comissão Européia, órgão executivo da UE, havia anunciado que a comunidade européia não se sentia ferida com a rejeição dos diplomatas. A delegação formada pelo ministro Piqué e o coordenador da política externa e de segurança da UE, Javier Solana, teria corrido um "risco calculado" com a viagem a Israel. Durante uma semana de isolamento no seu quartel-general, em Ramallah, cercado pelo Exército israelense, Arafat só recebeu o enviado dos Estados Unidos, Antohony Zinni, na sexta-feira (5).

Combates - Israel não se deixou impressionar com as exigências dos Estados Unidos e da UE para retirar suas tropas das cidades palestinas que ocupou nos últimos dias. O primier Sharon avisou que a operação "Muro Protetor" prosseguirá enquanto o seu Exército enfrentar resistência.

Tanques israelenses entraram em vários lugarejos da Cisjordânia na manhã deste domingo. Persistem os combates em Nablus e no campo de refugiados de Jenin. O Exército israelense atacou o campo com tanques e helicópteros, matando vários palestinos. Nas ações da última semana, o Exército israelenses matou aproximadamente 200 palestinos e prendeu mais de 350 supostos terroristas.