União Européia acentua cooperação com América Latina | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 23.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

União Européia acentua cooperação com América Latina

Bruxelas prepara encontro de cúpula entre países da UE e América Latina, a ser realizado em Lima. Comissão e Conselho Europeus apostam que relações bilaterais entre o bloco e países latino-americanos tendem a melhorar.

default

Bruxelas anuncia estreitamento de cooperação com países latino-americanos

Há quase dois anos, em meados de 2006, quando chefes de governo e Estado dos países da UE e da América Latina estiveram reunidos, as divergências entre os representantes dos dois continentes eram sensivelmente distintas: enquanto o presidente venezuelano, Hugo Chávez, aproveitava a ocasião para atacar a Europa e os EUA, os representantes da UE insistiam em não ceder no debate acerca dos subsídios agrários.

Acordos bilaterais

Martin Schulz Europaparlament SPD

Martin Schulz, deputado social-democrata alemão no Parlamento Europeu

Em vez de decisões comuns em relação aos países latino-americanos, os europeus preferiram, até agora, assinar acordos bilaterais com o México, o Chile e em breve com o Brasil. Martin Schulz, presidente da bancada socialista no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, acentua a necessidade – por ocasião do próximo encontro de cúpula EU-América Latina, que acontece em maio próximo – de uma disposição maior em negociar e aproveitar as chances históricas.

Segundo o deputado europeu, a UE precisa da América do Sul na luta contra as mudanças climáticas e na defesa da floresta amazônica. "Em nenhum outro lugar do mundo que não a América Latina, a Europa conta com tamanho apoio e ressonância no combate aos problemas atuais. Por isso, não podemos mais nos dar ao luxo de, desta vez em Lima, somente repetir o que o premiê austríaco Schüssel disse em Viena, por ocasião do último encontro: que ótimo que podemos falar uns com os outros", lembra Schulz.

Crescimento econômico

Bildergalerie EU-Kommissare Jacques Barrot Vice President Transport French

Jacques Barrot, comissário da UE

Problemas sociais, proteção ao meio ambiente e questões energéticas são alguns dos assuntos a serem abordados entre os chefes de governo e Estado presentes na capital peruana, nos dias 15 e 16 de maio. Jacques Barrot, comissário da UE, salienta a importância do enorme potencial do continente latino-americano, tão rico em matéria-prima.

"Pela primeira vez, a economia da região apresenta, há cinco anos, um crescimento em torno de 5%. Os orçamentos públicos conseguem, desta forma, se recuperar. As reservas se consolidam e os problemas sociais da região, já conhecidos, começam a ser solucionados. Não esqueçamos, porém, que mesmo assim ainda vivem no continente 200 milhões de pessoas abaixo do limite da pobreza", diz Barrot.

A União Européia é o maior financiador de ajuda ao desenvolvimento a países latino-americanos, e as empresas européias têm no continente o principal destino de seus investimentos em todo o mundo. O parlamentar espanhol José Ignacio Salafranca lembra que 40% de todos os cereais cultivados no mundo vêm da América Latina. Embora nem apenas os fatores econômicos sejam relevantes, diz o deputado, uma vez que a Europa está, politicamente, mais próxima do continente latino-americano do que de qualquer outra região do planeta.

"Ligação histórica"

Frankreich Kolumbien Demonstration für Ingrid Betancourt in Nizza

Camiseta de manifestante em prol da liberação de Ingrid Betancourt: problema da guerrilha requer solução rápida

"Para a UE, a América Latina não é apenas um mercado, mas também um continente ao qual estamos ligados pela história e com o qual dividimos valores que deveriam ser implementados em todo o mundo, tais como liberdade, democracia, respeito pelos direitos humanos e pelo estado de direito", afirma o conservador Salafranca.

Para reafirmar tais valores, o parlamentar acredita que o próximo encontro de cúpula em Lima deverá debater seriamente sobre uma solução para a crise dos reféns de guerrilheiros na Colômbia, entre outros o caso da ex-candidata à presidência Ingrid Betancourt. "Nós nos solidarizamos com todos os prisioneiros na Colômbia. Com todos os reféns, inclusive, obviamente, com Ingrid Betancourt. Eles precisam ser libertados com urgência", acentua o deputado espanhol.

Marcar lugar

Já Martin Schulz, parlamentar alemão social-democrata, defende uma aproximação imediata dos governos europeus com Cuba. "Vamos acabar com isso e nos reconciliar, pois uma mudança através da aproximação é uma política melhor do que a isolação no estilo Bush". A opinião de Schulz, no entanto, não é compartilhada pelos parlamentares de partidos conservadores em Estrasburgo.

Para vários deputados do Parlamento Europeu, o bloco de 27 países deveria aproveitar os esforços dos vários governos latino-americanos de esquerda em prol de uma certa independência dos EUA, para ocupar espaço na região. Segundo os parlamentares, os europeus não devem deixar o lugar ser ocupado pelos chineses, que investem em massa na região, compram matérias-primas e adentram os mercados lociais com produtos de baixo custo.

Leia mais