1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Uma "nova dimensão" de agressão sexual em Colônia

Multidão de homens assedia e agride sexualmente dezenas de mulheres em frente à estação central no réveillon. Após repercussão nacional, políticos e polícia prometem endurecer vigilância para evitar novos incidentes.

Pouco depois da virada do ano, Anna* e uma amiga se viram presas em meio a uma enorme multidão bloqueando a entrada principal da estação central de Colônia, quando começou uma discussão sobre uma carteira roubada – um truque, segundo as amigas.

As duas mulheres tentaram atravessar a multidão, mas foram empurradas e espremidas de todos os lados. "De repente, alguém colocou as mãos entre as minhas pernas, mas nós conseguimos fugir antes que algo pior acontecesse", conta Anna, em entrevista à DW.

Dentro da estação, ela notou que seu telefone celular tinha sumido e foi até um posto policial fazer um boletim de ocorrência. "Lá havia um monte de garotas, todas chorando incontrolavelmente", lembra.

A polícia, claramente sobrecarregada, disse para ela relatar o roubo em outro lugar.

"Eu estava realmente irritada com o tratamento antipático. É responsabilidade deles de agir. O grande número de reclamações deveria ter dado a eles uma ideia do que estava acontecendo", reclama Anna.

Colônia está chocada e alarmada

O incidente repercutiu nacionalmente, com intensas críticas à reação da polícia de Colônia. Medidas estão sendo tomadas para garantir que algo igual nunca mais aconteça, garantiu a prefeita da cidade, Henriette Reker, em entrevista coletiva após uma reunião de crise com autoridades, nesta terça-feira (05/01). Em outubro, durante campanha eleitoral, Reker foi

esfaqueada quando visitava um estande

da União Democrata Cristã (CDU).

O chefe da polícia de Colônia, Wolfgang Albers, admitiu que a polícia esteve errada em sua avaliação inicial da situação na véspera do Ano Novo, que ele havia descrito como "calma", com apenas algumas pessoas disparando fogos de artifícios contra a multidão. Albers admitiu também que a polícia não tem suspeitos e nenhum conhecimento sobre os autores, exceto que eles, aparentemente, tinham entre 18 e 35 anos de idade.

Deutschland PK Köln sexuelle Übergriffe in der Silvesternacht in Köln

Ao lado do chefe de polícia, a prefeita de Colônia, Henriette Reker, condenou o incidente e prometeu reforçar o policiamento no carnaval

Planos para demonstrar presença policial

Para as próximas festividades envolvendo o carnaval, no início de fevereiro, que tradicionalmente atrai centenas de milhares de foliões a Colônia, o plano da polícia é demonstrar força e estabelecer vigilância móvel por meio de câmeras de vídeo.

"Também vamos ter que explicar melhor o nosso carnaval às pessoas de outras culturas, para que não haja confusão sobre o comportamento alegre em Colônia, que em nada tem a ver com a sexualidade escancarada", disse Reker.

Na noite de réveillon, cerca de mil homens se reuniram no largo em frente à estação central e ao lado da Catedral de Colônia, um dos principais pontos turísticos da Alemanha, localizada próximo a diversos bares, restaurantes e discotecas. Eles teriam efetuado uma série de assaltos e ataques sexuais a mulheres.

Até esta terça-feira, aproximadamente

90 mulheres apresentaram queixa

à polícia, incluindo um estupro. Testemunhas relataram que os agressores eram jovens, estavam alcoolizados e, pela aparência, seriam oriundos de países árabes ou do norte da África.

As agressões são ainda mais chocantes porque ocorreram num dos pontos mais movimentados de Colônia – milhares de passageiros e turistas atravessam o largo entre a estação e a catedral todos os dias.

A polícia está analisando material de câmeras de vigilância, bem como fotos e vídeos feitos pelas vítimas usando seus smartphones. Mas a polícia afirmou que era impossível capturar os infratores na cena do crime já que o largo estava muito cheio para que as vítimas pudessem reconhecer os homens.

Durante meses, a polícia de Colônia tem vigiado um grupo de jovens norte-africanos batedores de carteiras que operam na cidade em grupos de três ou quatro. No entanto, segundo investigadores da polícia, um grupo organizado da magnitude como o visto no réveillon é algo "totalmente novo".

Deutschland Köln Proteste nach sexuellen Übergriffen

Primeiro protesto contra as agressões sexuais reuniu algumas manifestantes em frente à Catedral de Colônia

Reações pela Alemanha

Tanto a chanceler federal alemã, Angela Merkel, como o ministro da Justiça, Heiko Maas, condenaram as agressões. Em telefonema com Reker, a chanceler federal comunicou sua "indignação com estes odiosos ataques e agressões sexuais, que exigem uma resposta severa do Estado de Direito", comunicou seu porta-voz, Steffen Seibert. Já Maas descreveu o incidente como uma "nova dimensão da criminalidade organizada".

O líder sindical das polícias estaduais, Arnold Plickert, disse que houve incidentes semelhantes em Hamburgo e Stuttgart na véspera do Ano Novo, embora em dimensão bem menor.

Classificando os crimes de "um ataque massivo contra os direitos básicos", Plickert afirmou não estar ciente de qualquer incidente similar ter ocorrido antes na Alemanha, mas advertiu contra a exploração do episódio para atiçar um sentimento negativo contra refugiados no país.

*Nome alterado pela redação.

Leia mais