Uma entre seis pessoas passa fome no mundo, aponta estudo alemão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Uma entre seis pessoas passa fome no mundo, aponta estudo alemão

Coincidindo com a Cúpula Mundial da Alimentação, em Roma, a Ação Agrária Alemã divulgou o Índice da Fome, centrado na situação dos menores de idade. Quebrar o círculo vicioso da fome é a meta principal.

default

Mãe e filho etíopes

Iniciou-se nesta segunda-feira (11/10), em Roma, a Cúpula Mundial da Alimentação, com duração de uma semana. Ela é promovida pela Comissão Mundial de Alimentação, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), e que reúne representantes governamentais, organizações de ajuda e instituições da ONU, entre outros.

O tema central do encontro é a procura de soluções no combate à fome no mundo. A comunidade internacional se propõe a, até 2015, reduzir à metade o número de famintos no mundo.

Fome avançou em 20 anos

Praticamente uma em cada seis pessoas em todo o mundo padece de fome: atualmente há 925 milhões de famintos, 75 milhões a mais do que em 1990. Pobreza, conflitos e instabilidade política são as causas principais. Estes dados constam do Índice Mundial da Fome, apresentado na segunda-feira pela Ação Agrária Alemã (Welthungerhilfe) em Berlim, por ocasião da cúpula em Roma. Seu foco, este ano, é a fome entre as crianças.

O documento considerou que a situação em 29 nações em desenvolvimento é "alarmante" ou mesmo "extremamente alarmante". Exceto Haiti e Iêmen, os atingidos são países do continente africano. A situação é especialmente dramática na República Democrática do Congo, no Burundi, Eritreia e no Tchad.

Além de contar com a participação da ONG alemã, o estudo foi realizado pelo instituto de pesquisas International Food Policy Research Institute (Ifpri) e a organização humanitária Concern Worldwide. As instituições compilaram dados de 122 países, comparando a porcentagem de pessoas subnutridas, o número de crianças abaixo do peso normal e a mortalidade infantil.

Círculo vicioso da fome

No Congo, assolado pela guerra desde a década de 1990, três quartos da população sofrem de subnutrição, e sua taxa de mortalidade infantil é a mais elevado de todo o mundo. Segundo o Índice da Fome, a guerra civil provocou "um colapso da economia, deslocamentos humanos em massa e insegurança crônica quanto aos alimentos".

Welthunger-Index 2010

Bärbel Dieckmann (e) e Klaus von Grebmer, diretor de Relações Públicas do IFPRI

A subnutrição entre crianças menores de dois anos constitui um dos maiores desafios no combate à fome, constata a ONG alemã, pois a carência alimentar nos primeiros mil dias de vida comprometeria irreversivelmente a saúde e o rendimento dos afetados.

"As mães que foram subnutridas na infância frequentemente dão à luz bebês abaixo do peso normal. É preciso romper esse círculo vicioso através de aconselhamento consequente e apoio ao desenvolvimento", declarou Bärbel Dieckmann, presidente da organização, durante a apresentação do Índice Mundial da Fome.

Cerca de 90% das crianças com desnutrição crônica vivem na África e no sul da Ásia. Nos países em desenvolvimento, 195 milhões de menores de cinco anos são considerados pequenos demais para a sua idade e, portanto, subdesenvolvidos.

Dieckmann apelou ao governo alemão para que posicione os temas desenvolvimento rural e segurança alimentar no centro de seu trabalho de ajuda ao desenvolvimento.

AV/afp/epd/kna
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais