1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Um terço dos mails na Europa infectado

O Mydoom está batendo todos os recordes de propagação na internet. Especialistas supõem que o novo vírus que tem a Microsoft na mira teve sua origem na Rússia.

default

Mais uma vez alvo de um vírus: Microsoft

Para susto dos usuários da internet, não demorou muito para que surgisse uma mutação do vírus que começou a se propagar na segunda-feira (26/01), primeiramente nos Estados Unidos. A variante Mydoom.B já demonstrou ser o vírus que mais rapidamente se alastra pela rede global, batendo o recorde até então em posse do Sobig.F, que entrou em ação em agosto de 2003.

Apenas algumas horas após o alarme, um provedor contabilizou 1,9 milhão de mails infectados com o novo verme que tem a empresa Microsoft na mira. Especialistas calculam que um terço dos mails enviados da Europa já foi afetado. Do trânsito na internet, cerca de 20% a 30% já seria motivado pelo Mydoom ("minha fatalidade"), resultando num atravancamento sensível na rede.

Três razões principais

A empresa especializada em programas antivírus F-Secure atribui a rapidez da propagação do Mydoom a três motivos em especial:

  • As mensagens infectadas pelo vírus chegam disfarçadas com avisos de erro do sistema, o que leva o usuário a abrir o anexo. Pior ainda, o anexo vem freqüentemente em arquivo .zip, que desperta menos desconfiança.
  • A propagação do Mydoom — ao contrário do que ocorreu com vermes mais recentes — começou em meio ao expediente comercial nos Estados Unidos, possibilitando que redes de grandes empresas fossem rapidamente infectadas.
  • O vírus não envia mensagens apenas para endereços encontrados no disco rígido do computador infectado. Ele cria por meio de combinação de diferentes elementos endereços novos, sendo ainda capaz de passar irreconhecido pelos sistemas antispam mais comuns.

    Origem na Rússia?

    Os primeiros mails infectados com o novo vírus saíram com o endereço de provedores da Rússia, afirmou em Moscou, nesta sexta-feira (30/01) um porta-voz da Kaspersky Labs, uma das maiores empresas de antivírus do mundo. A probabilidade de que o verme tenha origem russa é de 80%, acrescentou. Seria possível também que os autores do programa sejam de outro país e tenham se utilizado de endereços russos falsos. A Microsoft já anunciou recompensa de 250 mil dólares para o esclarecimento da origem do Mydoom.

Leia mais