1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Um sensor na luta contra algas

Empresa alemã e instituto de pesquisas marinhas desenvolvem biossensor para detectar algas tóxicas. Extremamente nocivas, elas proliferam em todo o mundo e com o calor aumentaram também na Europa.

default

Toxina das algas pode chegar ao homem através do peixe

A poluição e o aumento da temperatura das águas favorecem o crescimento de algas cujas flores contêm toxinas. Com o calor deste verão, o problema - que afeta a Austrália e várias regiões do planeta - chegou também à Europa. Na Alemanha já foi preciso interditar algumas praias no Mar do Norte e no Báltico.

Veneno forte exige controle preventivo

Para o ser humano, o simples contato com as algas provoca irritação da pele. Por isso, a Inventus Biotec, uma firma de Münster, trabalha juntamente com o Instituto Alfred Wegner de Pesquisas Polares e Marinhas, de Bremerhaven, no desenvolvimento de um novo biossensor. O aparelho permitirá o controle preventivo, isto é, a distinção de flores tóxicas das que não o são.

Bernfried Specht, da Inventus, expôs à Deutsche Welle a importância de um sistema preventivo: "Essas toxinas são um dos mais fortes venenos naturais. Além do perigo direto para o ser humano, elas podem chegar a ele também através da cadeia alimentar, de peixes e mexilhões". A medição é efetuada na alga por um biochip dotado de sondas especiais de ácido nucléico.

Aplicação na pesca e advertência para banhistas

O Ministério de Educação e Pesquisa fomentou o desenvolvimento do biossensor com 2,1 milhões de euros. O controle preventivo permitirá que os barcos de pesca identifiquem as regiões de algas tóxicas e procurem outras águas, evitando colher mexilhões e peixes contaminados.

No momento o sensor está sendo avaliado e comparado aos sistemas instalados nas costas da Flórida, antes de ser testado a bordo dos barcos de pesca. "Atualmente o biossensor está sendo utilizado pelo Instituto Alfred Wegner de Pesquisa Polar e Marinha. Ele realiza viagens nas quais se retiram amostras de água e ainda é preciso instruir pessoal especializado. Embora o sensor seja de fácil manejo, ele exige certos conhecimentos. Portanto, ainda não é possível que uma pessoa na praia pegue o aparelho e saia fazendo medições na água do mar. O que previmos inicialmente é um sistema a ser aplicado por especialistas, que então lancem uma advertência, caso encontrem algas tóxicas", diz Specht sobre o estágio do projeto.

Mesmo não sendo um aparelho de prevenção para banhistas, eles serão beneficiados com o seu uso. Quanto maior for o número de barcos munidos de biossensores, maior será a rede de informação. Os engenheiros estão trabalhando num aparelho com microchip do tamanho de uma calculadora portátil. As tiras de teste para a água deverão ser pequenas e de fácil fabricação. A Inventus Biotec, que irá lançá-lo no mercado em 2005, ainda não sabe dizer o seu preço.

Leia mais