1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Um buraco de 43,4 bilhões de euros

Berlim contrairá dívidas bilionárias este ano para tapar o déficit orçamentário. O novo recorde na história da Alemanha preocupa Bruxelas.

default

Ministros Eichel (esq) e Clement: más notícias

O orçamento suplementar que o ministro das Finanças, Hans Eichel, apresentou nesta quinta-feira (23), em Berlim, só não deixou ninguém assombrado porque a dimensão do rombo já havia vazado na véspera. Em vez de mais 25 bilhões de euros, a União precisará levantar mais 43,4 bilhões de euros.

Déficit estoura limite novamente

As razões são: uma forte diminuição da arrecadação e os altos custos do desemprego. A causa de ambas é o enfraquecimento da conjuntura, com estagnação nos últimos três anos. Eichel, porém, descartou que o governo cogite aumentar o imposto equivalente ao ICMS.

Com isso, o déficit orçamentário em 2003 deve haver chegado em 4% do PIB (Produto Interno Bruto), superando em 1% o limite do Pacto de Estabilidade. Os 4% são mencionados nos prognósticos da União Européia, mas o ministro não se referiu hoje ao déficit propriamente, adiando a questão para o início de novembro, quando apresentará o balanço da arrecadação. Adiantou, contudo, que o déficit também deve passar de 3% em 2004, o terceiro ano consecutivo em que Berlim não cumpriria o critério.

Crescimento zero este ano

Como uma notícia ruim raramente vem sozinha, poucas horas antes de Eichel foi a vez do ministro da Economia, Wolfgang Clement, corrigir para baixo a previsão oficial para o crescimento da economia. Em vez de 0,75% como previra no prognóstico anterior, Clement conta com crescimento zero, isto é, uma estagnação este ano. Para 2004 a previsão foi corrigida de 2% para "de 1,5% a 2%".

Abstimmung Reformprogramm Agenda 2010 im Bundestag Schröder

Chanceler Gerhard Schroeder, sorri, durante a votação nominal que aprovou parte das reformas no Parlamento. Elas ainda precisam da confirmação do Bundesrat, onde a oposição tem a maioria

Ao mesmo tempo, o ministro da Economia apelou à oposição para que apóie as reformas econômico-sociais, não bloqueando-as na câmara alta do Legislativo (Bundesrat), ressaltando a sua importância para reativar o crescimento. Se não forem aprovadas as previstas reformas fiscal, da previdência, saúde, e do seguro-desemprego, a taxa de crescimento em 2004 não terá chance de chegar a 2%.

Oposição cai em cima

Os dados hoje divulgados foram um prato cheio para a oposição. O governador da Baveira, Edmund Stoiber, anunciou que os partidos cristãos irão se opor ao novo endividamento, que considerou "o cúmulo da irresponsabilidade frente à próxima geração".

"Com Schröder a Alemanha afunda cada vez mais na crise", disse o secretário-geral da União Democrata Cristã, Laurenz Meyer. Para ele, com um déficit de 4% a União perdeu completamente sua margem de ação na política monetária. Já o Partido Liberal, também de oposição, pediu a cabeça do ministro das Finanças.

UE: Puxão de orelhas para Eichel?

Ao que tudo indica, Eichel não pagará o pato e poderá contar com a complacência de Bruxelas. A Comissão Européia já deu a entender que daria à Alemanha prazo até 2005 para colocar as contas em ordem, assim como fez com a França. Em princípio, os dois países teriam que reduzir seus déficits a 3% em 2004. Formalmente, contudo, a questão não está definida. Em 15 de dezembro vence o último prazo para que Paris cumpra os requisitos da UE, se quiser evitar sanções. E tais imposições da Comissão Européia terão que ser aprovadas pelos ministros das Finanças da UE, em 4 de novembro.

A discussão em torno do Pacto de Estabilidade tornou a se inflamar no último mês. Enquanto alguns defendem que se respeite estritamente o limite, outros lembram que o pacto também prevê exceções - uma questão de interpretação, portanto. O desaquecimento pós-11 de setembro justificaria uma exceção - segundo o premiê italiano Silvio Berlusconi, que preside atualmente a UE.

Solbes em Berlim

O Comissário de Política Monetária da UE, Pedro Solbes, mostrou-se preocupado com a situação da Alemanha, na quarta-feira, quando esteve em Berlim, mas deixou os comentários para a próxima semana, quando a UE apresentará seu relatório e irá se referir especialmente à Alemanha.

Solbes esteve no Ministério das Finanças, onde participou do lançamento de um selo especial comemorativo dos dez anos do Tratado de Maastricht, o que motivou o diário Handelsblatt ao irônico comentário de que logo se poderia lançar um outro selo pelo "enterro" do Pacto de Estabilidade.

Leia mais