1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE vê eleições na Ucrânia como teste para a democracia

Eleições parlamentares e municipais são o primeiro grande teste para as forças políticas do país, após a "Revolução Laranja", que fez a Ucrânia voltar-se para o Ocidente há pouco mais de um ano.

default

Consolidação da 'Revolução Laranja'?

A União Européia (UE) vê as eleições parlamentares deste domingo (26/03) na Ucrânia como teste de força no processo de aproximação do país com o Ocidente. Isto havia sido assinalado num recente encontro da comissária de Relações Exteriores da UE, Benita Ferrero-Waldner, com o ministro do Exterior ucraniano, Boris Tarasiuk.

Viktor Yushchenko

Viktor Yushchenko

Há 15 meses, a Ucrânia é governada pelo presidente Viktor Yushchenko, cujo objetivo é a integração do país à União Européia e à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). A concretização destes projetos, no entanto, estará ameaçada em caso de uma vitória da oposição pró-russa, liderada por Viktor Yanukovich, que volta com força à cena política depois de sua derrota nas eleições presidenciais de 2004.

Yushchenko venceu o pleito, que teve de ser repetido por causa de fraudes em massa. Esta semana, o Partido das Regiões, de Yanukovich, liderava as pesquisas com cerca de 30% das intenções de voto, contra cerca de 20% para o Nossa Ucrânia, partido do presidente Yushenko, e por volta de 17% para o movimento da antiga aliada do presidente, a ex-primeira-ministra Julia Timoshenko.

População profundamente dividida

Observadores prevêem que, se nenhum dos partidos alcançar a maioria no Parlamento, a composição de governo dependerá de negociações difíceis, que podem arrastar-se até julho. A população ucraniana, de 47 milhões de habitantes, está profundamente dividida entre pró-ocidentais e pró-russos.

Ukraine Kiew Denkmal Bohdan Chmelnyzkyj und Klosterkirche St. Michael

Monumento a Bohdan Chmielnicki e a Igreja de São Miguel, no centro de Kiev

Cerca de 37 milhões de ucranianos devem comparecer às urnas neste domingo. O processo de apuração dos votos deve ser complicado. Em Kiev, por exemplo, os eleitores receberão quatro cédulas, todas elas de cores diferentes: uma para as eleições parlamentares, outra para a escolha dos representantes para as câmaras municipais e distritais, e outra para prefeito.

Frente às denúncias da oposição de que os erros no censo eleitoral podem constituir um recurso de fraude e privar o direito a voto de cerca de um milhão de cidadãos, mais de dois mil observadores internacionais vão vigiar o processo de votação e apuração.

Numa avaliação preliminar, eles já disseram que os preparativos eleitorais ocorreram de forma democrática. Segundo o embaixador dos Estados Unidos em Kiev, John Herbst, a Ucrânia assiste provavelmente à "campanha eleitoral mais limpa e transparente de sua história".

Mais informações sobre a Ucrânia no mapa da Europa

Leia mais