1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE suspende temporariamente sanções contra Belarus

União Europeia diz ter levantado quase todos os embargos devido à libertação de presos políticos e à melhora da relação com o bloco europeu. Entre as 170 pessoas beneficiadas está o presidente Alexander Lukashenko.

default

Alexander Lukashenko, presidente de Belarus desde 1994

A União Europeia (UE) suspendeu temporariamente as sanções contra Belarus, anunciou o bloco europeu nesta quinta-feira (28/10), reagindo à libertação de presos políticos pelo governo de Minsk e, consequentemente, reconhecendo que algum progresso democrático tem sido feito no país.

"Esta decisão de suspender sanções foi tomada em resposta à libertação de todos os presos políticos de Belarus em 22 de agosto e no contexto da melhora das relações entre UE e Belarus", diz o comunicado assinado pelos governos dos 28 Estados-membros.

A partir de sábado, a UE suspenderá as proibições de viagem e o congelamento de bens de 170 pessoas e três entidades de Belarus. A medida permanecerá em vigor até 29 de fevereiro de 2016. Entre os beneficiados pela suspensão das sanções está o

recém-reeleito presidente de Belarus

, Alexander Lukashenko, afirmou uma fonte da UE sob condição de anonimato. Ele comanda o país desde 1994.

Belarus, também chamado por muitos de a última ditadura da Europa, melhorou sua relação com a União Europeia depois que o governo local libertou presos políticos e contribuiu para um acordo de cessar-fogo no conflito na Ucrânia.

No entanto, a União Europeia decidiu manter o embargo de armas, assim como as sanções a quatro pessoas que são suspeitas de terem estado envolvidas nos desaparecimentos do então ministro do Interior, Yuri Zakharenko, do ex-vice-presidente do Parlamento, Viktor Gonchar, do empresário Anatoly Krasovski e do cinegrafista russo Dmitri Zavadski, há 15 anos.

A União Europeia salientou ainda que continuará monitorando a situação democrática e dos direitos humanos em Belarus.

PV/lusa/afp/ap/rtr/dpa

Leia mais