1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE se declara preocupada com ofensiva turca no norte do Iraque

União Européia diz que ofensiva militar não é a melhor maneira de lidar com o terrorismo curdo e pede à Turquia para que evite ações desproporcionais. Combates mataram ao menos 29 pessoas.

default

Exército turco afirma que invasão do Iraque tem por objetivo combater os rebeldes do PKK

Tanto a União Européia (UE) como o governo alemão se declararam preocupados com a ofensiva do Exército da Turquia no norte do Iraque, iniciada nesta sexta-feira (22/02) com o objetivo de combater rebeldes curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e que já causou a morte de ao menos 29 pessoas, segundo informações dos militares turcos.

O chefe da diplomacia da UE, Javier Solana, considerou que a ofensiva turca não é a forma mais apropriada para lidar com os problemas do terrorismo curdo. "Compreendemos as preocupações da Turquia, mas entendemos que essa ação no Iraque não é a melhor resposta", afirmou. "A integridade territorial do Iraque nos é muito importante."

A Comissão Européia apelou à Turquia para que evite ações militares "desproporcionais" e disse estar acompanhando a situação de perto. "A União Européia entende a necessidade da Turquia de proteger sua população do terrorismo", disse a porta-voz da comissão de Ampliação da UE, Kristina Nagy.

O porta-voz do ministério alemão das Relações Exteriores, Martin Jäger, disse que o governo em Berlim acompanha com "muita preocupação" a ofensiva militar turca no norte do Iraque. Segundo Jäger, a presença turca coloca em risco a estabilidade da região. Ele apelou para que o governo turco restrinja suas ações ao combate ao terrorismo. "De qualquer forma, o respeito ao direito internacional deve ser a medida de todas as ações."

Apoio dos EUA

Karte Kurden im Grenzgebiet der Türkei und Irak deutsch

Em verde, a região curda no norte do Iraque. Em marrom, a região de maioria curda

Os Estados Unidos declararam seu apoio à ofensiva turca. Segundo a secretária de Estado, Condoleezza Rice, o PKK é um inimigo comum da Turquia e dos EUA, bem como do povo iraquiano. Mas ela pediu ao governo turco para que não "desestabilize" a situação no Iraque.

O governo turco disse que a ação será por um período limitado de tempo e que as tropas retornarão à Turquia o mais rápido possível. O objetivo seria impedir o PKK de usar as montanhas no norte do Iraque como uma base para ataques contra a Turquia.

Segundo os militares da Turquia, cinco soldados turcos e 24 rebeldes curdos morreram no primeiro dia da ofensiva. A imprensa turca diz que 10 mil soldados participam da operação, mas o governo afirma que são 3 mil. O Iraque diz que não passam de mil.

O PKK, que é considerado um grupo terrorista tanto pela UE como pelos Estados Unidos, luta desde 1984 pela independência e autonomia da região curda no sudeste da Turquia. Os confrontos com as forças de segurança turcas já causaram a morte de cerca de 35 mil pessoas.

Leia mais