1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE revela estratégia para competir com aéreas do Oriente Médio

Com plano apresentado, União Europeia pretende impulsionar a economia e manter a competitividade das companhias aéreas dos 28 países-membros frente a concorrentes do Golfo Pérsico como Emirates, Etihad e Qatar Airways.

A Comissão Europeia adotou nesta segunda-feira (07/12) uma nova Estratégia de Aviação, com que Bruxelas visa impulsionar a lenta economia do bloco e manter competitivas as companhias aéreas europeias, frente à feroz concorrência de preços das empresas do Golfo Pérsico.

Caso seja aprovada pelos legisladores da União Europeia, a iniciativa é de solicitar os 28 governos dos países-membros abandonem suas atuais práticas de negociação individual de acordos bilaterais de serviços aéreos. Segundo a Comissão, isso criou para as companhias aéreas "uma colcha de retalhos de diferentes regras e tipos de acesso ao mercado".

Em vez disso, a UE procuraria estabelecer acordos abrangentes, regulando para onde e com que frequência as companhias aéreas estrangeiras poderão voar para os países-membros e a partir deles.

A proposta contém também medidas destinadas a melhorar a conectividade no bloco e enfrentar as restrições de capacidade nos aeroportos. Segundo estimativas, o tráfego aéreo na Europa deverá alcançar 14,4 milhões de voos em 2035, 50% a mais que em 2012.

Regras comuns

A lista de países que Bruxelas quer ter a bordo é uma espécie de "quem é quem" dos mercados de aviação mais dinâmicos do mundo e que crescem mais rapidamente: os Emirados Árabes Unidos, os dez membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean), China, México e Turquia.

"Uma vez assinado, quase 75% de todos os que voam dentro e fora da União Europeia, ou seja, mais de 240 milhões de passageiros por ano, estariam cobertos pelos acordos de aviação no nível europeu", comunicou a Comissão Europeia. Acordos semelhantes com os EUA e Canadá já estão em vigor. A negociação entre o Brasil e Bruxelas se encontra atualmente na fase de finalização.

A indústria da aviação emprega cerca de 2 milhões de pessoas em toda a UE, injetando cerca de 110 bilhões de euros por ano na economia do bloco, de acordo com estatísticas oficiais.

No entanto, a expansão agressiva das companhias do Golfo Pérsico e o deslocamento do tráfego para a Ásia vêm causando protestos de algumas empresas europeias e americanas. Elas afirmam que as rivais do Oriente Médio – principalmente a Emirates, Etihad Airways e Qatar Airways – recebem subsídios de seus governos ricos em petróleo, permitindo-lhes oferecer tarifas aéreas imbatíveis.

Airbus A350 XWB für Qatar Airways

Qatar Airways é uma das principais do Oriente Médio

Apoio estatal no Golfo

Nos últimos dez anos, a Partnership for Open and Fair Skies, uma aliança de empresas de aviação e sindicatos americanos, reclamou que "os governos do Catar e dos Emirados Árabes Unidos forneceram 42 bilhões de dólares em subsídios e outros benefícios desleais à Qatar Airways, a Etihad Airways e a Emirates".

"Essa ajuda inclui empréstimos governamentais sem juros nem obrigação de restituição, subsídios e injeções de capital, disponibilização gratuita de terrenos, isenção de taxas de aeroporto e outros", afirma a Partnership, que faz lobby para igualdade de condições entre as aéreas.

As companhias do Golfo têm rechaçado tais alegações. Comentando sobre a última investida de Bruxelas, a Emirates afirmou no início de dezembro que acata qualquer definição "razoável e sensata" para regras de concorrência leal.

"Nós também estamos interessados em ver o que uma política desse tipo significaria para as companhias aéreas apoiadas pelo Estado na Europa, assim como para as joint venturesexistentes entre aéreas europeias e não europeias, imunes à legislação antitruste", alfinetou a companhia do Golfo.

"Igualdade de condições"

O chefe da associação de aeroportos europeus ACI Europe, Olivier Jankovec, concorda que a Europa precisa de mais acordos irrestritos de tráfego aéreo, a exemplo dos já existentes com os EUA. E acrescenta ser necessário maior clareza sobre o que significa "concorrência leal".

"Igualdade de condições é um conceito enganoso. As condições de concorrência serão sempre desiguais, por exemplo, dependendo da posição geográfica da companhia aérea ou do aeroporto", opina Jankovec.

Ciente de tais críticas, a Comissão Europeia anunciou que planeja emitir diretrizes para a lei referente à propriedade e controle das companhias aéreas, incluindo a flexibilização da atual regra que restringe a participação de investidores estrangeiros a 49% das ações.

Impulso econômico

Contudo, mais do que abordar o problema da concorrência justa, Bruxelas acredita que a nova Estratégia de Aviação dará novo impulso à economia do bloco, ainda não totalmente recuperada da crise financeira de 2009.

Com esse propósito, a Comissão afirma que seu plano também estimularia "todo o potencial dos drones", que considera um "catalisador do desenvolvimento da aviação" e "promotor de crescimento".

Antecipando uma reação feroz dos ativistas da privacidade, em alerta desde as revelações da espionagem praticada pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA, o órgão executivo da UE afirmou que a sua estratégia inclui também "um enquadramento jurídico" que deverá abordar "preocupações relacionadas à privacidade e à proteção de dados".

A Comissão também instou os países-membros da UE a concluírem o projeto de pesquisa Single European Sky ATM Research (Sesar), que reduziria custos e emissões ao fundir corredores aéreos nacionais. Até 2020, a União Europeia planeja investir 430 milhões de euros anuais no projeto que, segundo afirma, poderia criar "mais de 300 mil novos postos de trabalho".

Louvando a proposta, a comissária de Transportes da UE, Violeta Bulc, lembrou que "a aviação europeia está enfrentando uma série de desafios, e a estratégia atual expõe um plano de ação abrangente e ambicioso para manter sua posição de liderança do setor". "Ele vai manter as empresas europeias competitivas através de novos investimentos e oportunidades de negócios, permitindo-lhes crescer de uma forma sustentável", concluiu.

Leia mais