1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE quer unificar mercado digital

Bloco europeu anuncia planos de facilitar comércio online entre países-membros, fortalecer direitos do consumidor na internet e estimular negócios na rede. Também será aberto um inquérito antitruste para o setor.

default

Günther Oettinger, comissário europeu para economia digital

A União Europeia (UE) anunciou nesta quarta-feira (06/05) uma estratégia para unificar o mercado digital e ajudar as empresas de tecnologia do continente a competir com companhias dos EUA. A estratégia inclui reduzir as barreiras para o comércio online transfronteiras.

Para isso, deve haver regras comuns sobre a proteção do consumidor e baixos custos de frete entre países do bloco europeu. Também está nos planos uma análise ampla das plataformas online, incluindo mecanismos de busca e lojas de aplicativos. A intenção é garantir transparência nos resultados das buscas e estabelecer regras de concorrência.

"Quero que as pessoas possam comprar da mesma maneira dentro de todo o mercado interno digital e que as empresas possam comercializar como no próprio país", disse Günther Oettinger, comissário europeu para economia digital.

Andrus Ansip, vice-presidente da Comissão Europeia, disse que a UE ainda está fragmentada em 28 mercados nacionais e precisa de mais regras comuns para aumentar a competitividade na Europa e no mundo. Segundo Ansip, a unificação da economia digital deve ajudar a criar empregos e gerar crescimento.

O bloco europeu também vai abrir um inquérito antitruste para o setor de e-commerce, em meio a preocupações sobre como grandes sites, incluindo Amazon e Google, usam sua influência. O objetivo é verificar se "a competição pode estar distorcida no mercado interno".

O inquérito antitruste vai focar sobretudo em áreas como eletrônicos, roupas, calçados e conteúdo digital. Um relatório preliminar das investigações deve ser divulgado em meados de 2016 e um final, em março de 2017. Caso sejam encontradas evidências de má conduta por parte de empresas, estas poderão ser punidas com elevadas multas.

Gigantes da internet, como Amazon, Apple e Google, já foram alvo de outras investigações da UE, que evidenciaram divisões profundas entre Washington e Bruxelas quanto à regulação do comércio online.

LPF/ap/afp/dpa

Leia mais