1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE quer padronizar as leis de trânsito na Europa

Os motoristas que cometem infrações fora de seu país de origem geralmente ficam impunes. A União Européia quer uniformizar as regras e as multas de trânsito, acabando com as fronteiras que protegem os infratores.

default

Por uma norma única

Um motorista alemão viaja em alta velocidade por uma auto-estrada da Holanda. Ele dirige 20 quilômetros acima da velocidade máxima permitida. Uma câmera escondida registra a infração. A multa é de 60 euros. Até que as autoridades identifiquem o proprietário do veículo, ele já se encontra novamente em sua moradia na Alemanha.

Dias depois, ao receber uma carta da polícia holandesa cobrando a multa, o motorista alemão pode simplesmente jogar o papel no lixo. Isso mesmo. A multa só tem validade dentro do território onde a infração de trânsito foi cometida.

Esse exemplo não é um caso isolado, mas uma realidade até corriqueira dentro da Europa, e não se restringe aos dois países acima citados. Nem por vias jurídicas o governo holandês teria alguma chance de receber o dinheiro da multa do infrator alemão.

A cobrança só teria sucesso se tal motorista voltasse a circular pela Holanda antes que a multa caducasse, ou seja, no período de dois anos e meio a partir da data da infração. No caso da Inglaterra, o tempo para a multa perder a validade é ainda bem inferior, de apenas meio ano.

Diferentes multas e interesses

Somente em solo austríaco a infração de trânsito cometida por um alemão tem validade além-fronteiras e vice-versa. Os governos da Alemanha e da Áustria assinaram um acordo que regulamenta a questão e estipula que a multa tem validade no território vizinho.

A União Européia já cogita há anos um acordo semelhante. No ano passado, houve consenso de que era preciso fazer algo para padronizar as leis e infrações de trânsito. Tal processo ainda deve demorar, esclareceu a jurista Petra Gorisch, do Automóvel Clube Alemão (ADAC).

“O valor das multas difere de país para país. Uma infração que na Alemanha custa 5 ou 10 euros, custa na Holanda 40 ou 50 euros e na Espanha pode chegar a 90 euros. Muitos aspectos não batem,e os interesses de cada nação diferem muito.”

Soberania nacional

Os países-membros da UE temem ainda que uma padronização das regras de trânsito extrapole a soberania nacional. Afinal, até agora cada país estipula quais infrações devem ser punidas e o valor das multas. Uma regulamentação abrangente implicaria em concessões por parte de alguns países e mais rigor por parte de outros.

Definir uma norma de trânsito única na União Européia, com exceção, é claro, da Inglaterra, onde os veículos possuem volante à direita e portanto circulam ao contrário, não seria tão problemática, afirmou Karsten Otte, professor de Direito Europeu de Trânsito. A dificuldade estaria em conciliar os interesses nacionais na definição das sanções.

Isto levaria muito tempo, acredita Gorisch. Para a representante do poderoso ADAC alemão, o processo de conciliação de interesses, elaboração e aprovação de leis únicas de punição no trânsito europeu levaria pelo menos dez anos. Mais otimista, Otte estima que dentro de cinco anos a Europa terá uma regulamento único.

Exemplo alemão

Desde o1º de abril de 2004, passaram a vigorar algumas mudanças na lei de trânsito alemã. Quem estacionar o veículo em locais inapropriados ou que impedem a saída de ambulâncias, por exemplo, pagará 40 euros de multa e ganhará pontos num registro central. Quem acumula 18 pontos tem a carteira retida por algums meses ou anos, dependendo da gravidade das infrações cometidas.

Leia mais