UE quer criar mecanismo para financiamento de projetos de infraestrutura na América Latina | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 01.10.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

UE quer criar mecanismo para financiamento de projetos de infraestrutura na América Latina

Biocombustíveis, acordos de livre comércio, cooperação científica, migração: a comissária europeia de Relações Exteriores apresentou em Bruxelas um balanço de dez anos de relações com a América Latina.

default

Dez anos após um encontro no Rio de Janeiro, no qual chefes de Estado e de governo optaram por uma "parceria estratégica" entre a América Latina e a União Europeia (UE), a comissária de Relações Exteriores da UE, Benita Ferrero-Waldner, apresentou novos planos para impulsionar as relações bilaterais, nesta quarta-feira (30/09) em Bruxelas.

O relatório Global Players & Partners pretende enfocar pontos centrais de interesse com vista a um futuro próximo, especialmente de olho na cúpula UE, América Latina e Caribe, agendada para maio de 2010, durante o período em que a Espanha ocupará a presidência da Comissão Europeia.

"Nossas relações evoluíram e avançaram. Agora somos mais ambiciosos, e também o mundo mudou com crise econômica, mudanças climáticas e problemas de segurança. São preocupações e desafios globais que queremos transformar em oportunidades globais", afirmou Ferrero-Waldner.

EU-Kommissarin Benita Ferrero Waldner

Comissária Benita Ferrero-Waldner: flexível e de ouvidos abertos?

Fundação para América Latina e Caribe

A criação, em aproximadamente um ano, de uma Fundação Europeia para a América Latina e o Caribe é um dos mecanismos com que a UE pretende intensificar os laços entre as regiões: uma espécie de instância de acompanhamento do relacionamento e de comunicação durante o período entre as cúpulas.

O órgão cuidaria também da implementação de uma "nova visão orientada à ação", explica Ferrero-Waldner, criticando os resultados de grandes encontros. "Não se tem aproveitado todo o potencial político dessas cúpulas", disse a comissária, para quem seria melhor – especialmente em Madri – que se acertassem menos iniciativas, porém com mais resultados.

Migração: "assunto muito sensível"

Entre as conquistas dos últimos dez anos, a comissária mencionou – além dos acordos bilaterais com Brasil, México e Chile – a criação da EuroLat, instância criada para promover o diálogo entre os parlamentos dos países latino-americanos e o europeu, e que surgiu durante a Cúpula de Viena em 2006.

Nesse contexto, e antes da Cúpula de Lima em 2009, vários países latino-americanos expressaram suas críticas à diretiva europeia de imigração, que prevê, entre outras coisas, a necessidade de retorno voluntário por parte dos imigrantes, e que foi considerada por ativistas de direitos humanos como a "diretiva da vergonha".

Entretanto, desde junho de 2009, existe uma plataforma para o diálogo, na qual se trata de defender os interesses e pontos de vistas de ambas as regiões. "Não se podem esperar resultados rápidos", respondeu a comissária à Deutsche Welle, sublinhando que este será "um dos pontos mais complicados da Cúpula de Madri".

Fundos para projetos de infraestrutura

Outra proposta do Executivo europeu é a criação de um mecanismo financeiro para mobilizar fundos para projetos de infraestrutura na América Latina, em colaboração com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Corporação Andina de Fomento (CAF).

A boa experiência obtida com um fundo similar destinado aos países vizinhos da UE poderia servir de base. "Somos os maiores doadores para a América Latina e o Caribe", afirma Ferrero-Waldner. Ao todo, a UE investe 500 milhões de euros por ano em projetos de desenvolvimento na região.

Além de "decisões e projetos feitos sob medida" para os mais pobres, a UE quer fortalecer a relação com os países mais desenvolvidos nas áreas de "pesquisa, ciência e tecnologia, eficiência energética e energias renováveis". O tema dos biocombustíveis marcaria a relação com o Brasil, por exemplo.

No entanto, a comissária explica que o fato de o Brasil pertencer ao Mercosul faz com que isso não passe de uma "parceria", uma vez que o avanço da Rodada de Doha é a condição essencial para que as negociações entre a UE e o bloco sul-americano também avancem.

A comissária salienta que incentivar a integração regional foi e continuará sendo um dos principais objetivos da UE. "Nossa meta é fechar acordos regionais com a América Central e com os países andinos, mas também esperamos avançar quanto a um acordo de associação com o Mercosul", disse. Segundo ela, não se pode falar em um fracasso da política de integração regional do Mercosul.

"Há, sim, um atraso enorme", admite. "Investimos tudo o que podíamos e agora é o Mercosul quem tem que agir", disse, ressaltando a flexibilidade do bloco europeu. "Quando não havia coesão na Comunidade Andina, seguimos negociando a partir das bases estabelecidas em 2003, mas, ao mesmo tempo, começamos a fazer acordos bilaterais de livre comércio".

Autor: Mirra Banchón (rr)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais