1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE pretende incluir aviação civil no comércio de emissões

Projeto da Comissão Européia visa diminuir a emissão de gases poluentes pelas companhias aéreas. Empresas criticam a proposta e afirmam que ela reduz a competitividade européia no mercado mundial.

default

Aviões são responsáveis por 3% das emissões mundiais de CO2

A União Européia (UE) pretende integrar as companhias de aviação civil nos esforços contra o aquecimento global. O comissário de Meio Ambiente da UE, Stavros Dimas, apresentou nesta quarta-feira (20/12) em Bruxelas projeto de lei que visa diminuir a emissão de gases poluentes por jatos da aviação civil.

A proposta da Comissão Européia prevê que as companhias aéreas façam parte do comércio de direitos de emissão de dióxido de carbono (CO2). O processo é acompanhado com ceticismo pelas empresas, já que as novas regras podem custar caro para elas.

O setor de aviação civil é responsável por 3% das emissões mundiais de gases poluentes, mas elas têm aumentado de forma acelerada – cerca de 87% desde 1990. Com o projeto, a UE prevê uma redução de 183 milhões de toneladas nas emissões de CO2 até 2020.

Terror Deutschland Verdacht auf Anschlagspläne gegen Flugzeug

Aviões aguardam para decolar no aeroporto de Frankfurt

O comércio de emissões existe desde 2005 e tem sua origem no Protocolo de Kyoto, firmado em 1997. O objetivo do acordo é fazer com que os países desenvolvidos reduzam as emissões de gases do efeito estufa, apontados como causadores do aquecimento global, em 5,2% até 2012.

Um dos instrumentos para essa redução é o comércio de emissões. Na Europa, a UE emite licenças para a emissão de gás carbônico pelas empresas. A empresas que poluem menos e, portanto, não utilizam todas as suas licenças, podem vendê-las para aquelas que não conseguem reduzir suficientemente as suas emissões.

Concorrência

Até o momento, a União Européia manteve as empresas aéreas fora desse comércio. Até 2011, isso poderá mudar. Os planos iniciais da Comissão Européia previam que tanto vôos com destino a países do bloco como vôos para fora da UE fossem incluídos no comércio de emissões.

Mas a previsão de problemas com os EUA e outros países fez a Comissão rever sua proposta. Vôos dentro da União Européia deverão ser incluídos no comércio a partir de 2011 e os vôos para o bloco ou a partir dele, no ano seguinte.

Essa mudança nos planos já provocou críticas dos países-membros. O ministro do Meio Ambiente da Alemanha, Sigmar Gabriel, exige tratamento igual para vôos internos e aqueles com destino a países fora UE. Para ele, não deve haver distorções na concorrência.

Empresas criticam

Flugzeug Air Berlin

Jato da Air Berlin no aeroporto de Münster/Osnabrück

É o mesmo argumento das companhias aéreas. Para elas, o principal é manter um tratamento igualitário no mercado global. As empresas temem que, caso o comércio de emissões se limite aos vôos dentro da Europa, o tráfego aéreo no bloco se torne mais caro.

De acordo com a Lufthansa, a sugestão traz poucos benefícios para o meio ambiente e coloca a aviação civil européia em desvantagem na concorrência mundial. Segundo o assessor para assuntos de Meio Ambiente da empresa, Stefan Schaffrath, a produção de dióxido de carbono pode ser reduzida por meio de melhorias técnicas, uma melhor infra-estrutura e aviões mais modernos.

A Air Berlin também criticou o projeto da Comissão Européia. "Companhias aéreas com aviões modernos devem ser recompensadas e as demais, punidas. Mas não precisamos de regras válidas apenas para a UE", afirmou a empresa em comunicado.

Tanto a Lufthansa como a Air Berlin não quiseram fazer previsões sobre aumentos que a medida poderia causar nos preços de passagens. Segundo elas, os valores não podem ainda ser calculados.

Já a Comissão Européia prevê que os vôos de curta distância poderão custar entre 1,80 e 9 euros a mais até 2020, se as companhias repassarem todos os custos do comércio de emissões aos seus clientes.

Leia mais