UE pode ficar sem dinheiro em 2012, alerta comissário do Orçamento | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 19.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE pode ficar sem dinheiro em 2012, alerta comissário do Orçamento

A União Europeia entrou em clima de austeridade. Orçamento aprovado após 16 horas de negociações ficou abaixo das expectativas do Parlamento e da Comissão Europeia. Ainda assim, consenso foi melhor do que discórdia.

Janusz Lewandowski (esq.) conversa com ministro finlandês Alexander Stubb

Janusz Lewandowski (esq.) conversa com ministro finlandês Alexander Stubb

De quanto dinheiro disporá a União Europeia (UE) no próximo ano? Desde as primeiras horas deste sábado (19/11), essa importante pergunta tem uma resposta clara: o orçamento do bloco será de 129 bilhões de euros em 2012, o que representa um aumento de 2% em relação ao ano anterior. O anúncio foi feito pelo presidente em exercício do Conselho da União Europeia e premiê da Polônia, Donald Tusk, em Bruxelas.

Apesar de ter exigido 16 horas de negociações, o consenso foi alcançado relativamente rápido. Em 2010, o Conselho da UE e o Parlamento Europeu perderam o prazo para a decisão, devido a discordâncias quanto ao total do orçamento. Neste ano, o clima é mais austero, devido às inseguranças nas bolsas de valores.

"Que sinal estaríamos dando para os mercados e para os 500 milhões de europeus, se não conseguíssemos chegar a um acordo quanto ao orçamento?", advertiu o comissário da UE para Programação Financeira e Orçamento, o polonês Janusz Lewandowski. Segundo o deputado europeu Alain Lamassoure, "o realismo venceu": todos sabiam que o acréscimo de 2% era o "máximo" possível, comentou.

Contentando-se com a realidade

Com esse consenso, está provisoriamente encerrada a briga anual entre os dois órgãos da UE: o Conselho e o Parlamento – ou seja, entre os representantes dos Estados-membros e os deputados europeus.

ARCHIV - ILLUSTRATION - Auf einer Europafahne liegen am 04.07.2011 in Karlsruhe ein Euro Münzen.Die Krise der Eurozone steht am Mittwoch (14.09.) in Straßburg im Mittelpunkt der Diskussion zwischen EU-Parlament, dem Vertreter der EU- Ratspräsidentschaft, EU-Kommissionspräsident Barroso und Wirtschafts- und Währungskommissar Rehn. Foto: Uli Deck dpa +++(c) dpa - Bildfunk+++

Crise na zona do euro levou até a UE à austeridade

Lewandowski ainda lamentou que só se tenha alcançado um orçamento de contenção. "Existe o sério risco de que venha a faltar dinheiro para a Comissão Europeia no decorrer do próximo ano", comentou ele neste sábado, em Bruxelas.

O comissário do Orçamento requerera em torno de 132,7 bilhões de euros para 2012. A maioria dos deputados do Parlamento Europeu era igualmente a favor de uma quantia superior: 133,1 bilhões de euros. Em 2011, o bloco teve à sua disposição um total de 126,5 bilhões de euros.

O motivos para tamanha poupança é que cerca de dois terços da verba da UE provém de seus Estados-membros, cuja meta é economizar dinheiro e liberar um orçamento inferior àquele proposto pelo Parlamento.

Assim, no fim das contas, Lewandowski preferiu contentar-se com os presentes resultados: "O consenso é melhor do que a continuação da discórdia", comentou.

Países x instituições europeias

A situação financeira da UE não é um mar de rosas, já que muitos de seus Estados-membros encontram-se em plena crise. Todos têm que poupar, é preciso "pensar duas vezes antes de gastar cada euro", declarou o subsecretário de Estado de Finanças da Polônia, Jacek Dominik.

Na qualidade de maior contribuinte, com 17% do orçamento da UE, a Alemanha exigira, já no fim de 2010, juntamente com o Reino Unido e a França, que o aumento da receita europeia não ultrapassasse a taxa de inflação.

Antes de apresentar o orçamento do bloco, a Comissão Europeia submete ao Conselho da UE um esboço, que em seguida é transferido ao Parlamento. O presidente do órgão, por sua vez, examina as propostas. O Tribunal de Contas da UE supervisiona toda a gestão orçamentária.

AV/afp/dpa/rtr
Revisão: Francis França

Leia mais