1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE planeja usar dinheiro público para salvar Galileo

Ministro Wolfgang Tiefensee defende maior participação do poder público no financiamento do projeto como saída para a crise gerada pelas divergências internas do consórcio responsável pelo sistema.

default

Início das operações está marcado para 2011, mas pode ser postergado

O presidente do Conselho de Ministros dos Transportes da União Européia (UE), Wolfgang Tiefensee, disse nesta semana ter poucas esperanças de que o consórcio responsável pelo sistema europeu de navegação por satélite Galileo supere suas divergências internas e defendeu uma maior participação do poder público no financiamento do projeto.

"O Galileo está numa profunda e séria crise", afirmou Tiefensee, ministro alemão dos Transportes. "Faremos uma proposta para que a participação pública na fase de construção cresça consideravelmente", afirmou. O que significa, em outras palavras, que dinheiro de impostos deverá garantir a viabilidade do projeto. O valor necessário não foi especificado. O projeto está orçado em 4 bilhões de euros.

Já a Comissão Européia afirmou, por meio de um porta-voz, que o plano para pôr o Galileo em funcionamento "poderá não funcionar" e que poderá ser necessário esboçar de novo o projeto. As declarações foram dadas às vésperas de vencer o prazo dado pela UE para que as empresas que compõem o consórcio superem as divergências que estão travando o projeto.

Solução para o impasse

O ingresso de recursos públicos seria uma saída para a crise. Em março, a UE havia dado ao consórcio, que engloba oito empresas de cinco países, um prazo de dois meses para que superasse as divergências internas. O prazo vencerá nesta quinta-feira (10/05) e as empresas ainda não chegaram a um acordo. Entre elas estão a EADS, de capital alemão e francês, e a Deutsche Telekom.

Com as dificuldades, o prazo para início das operações da rede de 30 satélites que compõem o Galileo, marcado para 2011, também corre risco de ser postergado. A Comissão Européia apresentará até o próximo dia 16 alternativas para solucionar a crise.

Tiefensee recordou que se trata do "projeto tecnológico mais importante" da União Européia e enfatizou que o Galileo, além de ter finalidades exclusivamente civis, é "absolutamente necessário" para que a Europa não dependa do sistema norte-americano GPS (de origem militar) em domínios "tão cruciais" como os transportes aéreo, marítimo e terrestre. (as)

Leia mais