UE planeja multa para países que rejeitarem distribuição de refugiados | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE planeja multa para países que rejeitarem distribuição de refugiados

Comissão Europeia propõe sistema que prevê cotas de migrantes para países-membros da UE e "contribuição solidária" caso um Estado se recuse a participar. Hungria e Polônia declaram ser contra.

Campo de refugiados em Gaziantep, na Turquia

Campo de refugiados em Gaziantep, na Turquia

A Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira (04/05) um sistema de distribuição de refugiados entre os membros da União Europeia (UE) que objetiva aliviar países fronteiriços, como a Grécia e a Itália, mas pode enfrentar resistência de governos do leste do bloco.

A proposta para reforma do chamado sistema de Dublin inclui o que a Comissão chama de "mecanismo justo e baseado na solidariedade", pelo qual seria estipulada uma cota de refugiados para cada um dos 28 países-membros, levando em conta fatores como população e riqueza nacional.

Se um país receber um número desproporcional de pedidos de refúgio, no caso, mais de 150% de sua cota, os candidatos mais recentes serão realocados entre outros países do bloco. Se um Estado-membro quiser ficar de fora, deverá fazer uma "contribuição solidária de 250 mil euros por cada candidato" que deveria acolher. O dinheiro irá para o país que receber os candidatos.

O princípio central do sistema de Dublin, de que uma pessoa deve solicitar refúgio no primeiro país europeu aonde chegar, é mantido na proposta da Comissão.

Em 2015, um sistema de realocação de refugiados foi criado quando a Grécia se via às voltas com uma situação caótica, criada pela chegada de cerca de 1 milhão de pessoas, a maioria delas refugiados sírios. O sistema foi aprovado sob fortes protestos de países do leste, como a Hungria. Na prática, até hoje apenas 1.441 pessoas foram realocadas pelo sistema, que prevê 160 mil.

As propostas da Comissão, que também incluem a aceleração das análises de pedidos de refúgio e tornam mais rígido o controle do movimento de imigrantes, necessitam do apoio dos governos nacionais e do Parlamento Europeu, no que promete ser uma batalha dura. Hungria e Polônia já se manifestaram contra o projeto do braço executivo da UE.

A Alemanha, maior contribuinte do bloco e destino da maior parte dos migrantes que atravessam o Mar Mediterrâneo, tem se empenhado pela adoção de um sistema de realocação permanente e expressou frustração com a recusa de governos do leste em acolher refugiados – justamente países que estão entre os que mais se beneficiam dos subsídios da União Europeia.

AS/rtr/ap/lusa

Leia mais