UE pede rapidez na saída do Reino Unido | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE pede rapidez na saída do Reino Unido

Autoridades de Bruxelas pedem agilidade no processo de separação para evitar atrasos que "só prolongariam desnecessariamente a incerteza" e não querem esperar até que Reino Unido tenha um novo primeiro-ministro.

As principais autoridades da União Europeia (UE) pediram nesta sexta-feira (24/06) rapidez no processo de separação do Reino Unido. Em comunicado, os presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, do Conselho Europeu, Donald Tusk, do Parlamento Europeu, Martin Schulz, e da presidência rotativa da UE, Mark Rutter, afirmaram que atrasos só elevam a incerteza.

Divulgado após a decisão britânica de deixar o bloco, o texto lembra que o processo deverá ser doloroso, mas deve ser posto em andamento o mais rápido possível para evitar atrasos "que só prolongariam desnecessariamente a incerteza".

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da União Europeia, com 51,9% dos votos a favor, no referendo desta quinta-feira (23/06), cuja participação chegou a 72,2%.

Pouco depois do anúncio do resultado, o primeiro-ministro David Cameron anunciou sua renúncia em outubro. Ele também afirmou que é pouco provável que as ações para a saída do bloco sejam tomadas antes disso.

A UE, porém, não quer esperar até lá. A expectativa de que as ações sejam agilizadas é compartilhada pelos ministros do Exterior do bloco, que se encontraram nessa sexta-feira em Luxemburgo. Eles preparam uma reunião entre os líderes dos países-membros na próxima semana.

Comunicado sugere que Reino Unido dê o próximo passo

No comunicado, os líderes se disseram "prontos para iniciar rapidamente as negociações com o Reino Unido sobre os termos e condições da sua retirada" e mencionaram o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que prescreve as regras para sair do grupo.

Juncker, Tusk e Schulz afirmaram ainda que esperam que o Reino Unido venha a ser um parceiro próximo da UE. As propostas, no entanto, devem ser apresentadas pelos britânicos. "Qualquer acordo que venha a ser concluído com o Reino Unido como país terceiro terá que refletir os interesses de ambas as partes e ser equilibrado em termos de direitos e obrigações", afirmaram.

"Num processo livre e democrático, o povo britânico expressou o seu desejo de sair da União Europeia. Lamentamos esta decisão, mas a respeitamos", destacaram os presidentes.

Ministros têm pressa

"Há urgência e não há tempo a perder. Qualquer período de incerteza pode ser prejudicial", afirmou o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault, que acrescentou ainda que a "coesão e estabilidade" da Europa estão em risco.

O ministro do Exterior da Eslováquia, Miroslav Lajcak, disse que a UE "não pode se dar o luxo de esperar até que o Partido Conservador britânico tenha um novo líder". A Eslováquia assume a presidência rotativa da UE na próxima semana, em substituição à Holanda.

Já o ministro tcheco, Lubomir Zaoralek, apontou que o bloco tem outros problemas urgentes, como a crise de imigração, para lidar.

TAM/lusa/dpa/ap

Assistir ao vídeo 01:05
Ao vivo agora
01:05 min

Chanceler federal alemã sobre o Brexit

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados