1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE pede apoio da ONU para combater tráfico de imigrantes

União Europeia quer resolução do Conselho de Segurança que lhe permita agir contra o tráfico de pessoas também em águas líbias, destruindo as embarcações dos traficantes. Rússia sinaliza veto.

A União Europeia (UE) pediu nesta segunda-feira (11/05) ao Conselho de Segurança da ONU que apoie uma operação naval europeia contra o tráfico de imigrantes pelo Mar Mediterrâneo, ajudando a desmantelar redes de traficantes e a destruir os barcos por eles utilizados.

"Estamos assumindo responsabilidades e trabalhando duro e rápido, mas não podemos fazer isso sozinhos", afirmou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, perante o Conselho, em Nova York.

Mogherini se reuniu com os embaixadores dos 15 países-membros com o objetivo de tentar convencê-los a adotar uma resolução de apoio as ações da UE para a crise migratória no Mediterrâneo.

Os líderes da União Europeia concordaram no mês passado em identificar, capturar e destruir barcos antes de eles serem usados pelos traficantes, mas não está claro como isso pode ser feito, e o bloco quer autorização da ONU para fazê-lo. A grande maioria dos traficantes opera em território libanês.

"Ninguém está pensando em usar bombas. Estou falando de uma operação naval", disse Mogherini após o encontro com o Conselho de Segurança. Ela disse que os ministros europeus do Exterior vão se reunir em 18 de maio para discutir e definir os detalhes da operação.

Os membros europeus do Conselho de Segurança – Reino Unido, França, Lituânia e Espanha – estão elaborando uma resolução para aprovar a operação europeia sob o capítulo 7 da Carta da ONU, que permite o uso da força para manter a paz, disseram diplomatas.

A resolução autorizaria a UE a intervir em alto mar e em águas territoriais da Líbia para apreender e destruir embarcações. O rascunho da resolução deve ser distribuído aos 15 membros do Conselho nos próximos dias, segundo diplomatas.

As principais ressalvas à proposta vêm da Rússia, para quem destruir embarcações é ir longe demais. A Rússia é membro permanente do Conselho de Segurança e, como tal, tem direito a veto na votação de resoluções.

"O mais importante para a União Europeia é destruir o modelo de negócio dos traficantes, certificando-se de que os navios não poderão ser novamente utilizados", disse Mogherini. "Eles vendem esperança, mas entregam morte", declarou a diplomata, falando sobre os traficantes. Ela garantiu que refugiados interceptados no mar não serão enviados de volta contra a sua vontade.

A representante afirmou ainda que a Europa quer atuar em parceria com as autoridades líbias. "Não vamos agir contra, devemos trabalhar em conjunto. A nossa mensagem para os líbios é: a Europa está pronta para ajudar de todas as maneiras possíveis, a Europa estará do lado de vocês", concluiu a chefe da diplomacia europeia.

Mais de 1.800 pessoas morreram nas águas do Mediterrâneo desde janeiro, durante tentativas de alcançar solo europeu a partir da África.

AS/lusa/rtr/efe/afp/dpa

Leia mais