1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE inicia cúpula orçamentária em clima de batalha

Há tempos não se brigava tão intensamente por dinheiro na UE. Reino Unido e outros países contribuintes exigem cortes no orçamento europeu. Bruxelas não concorda. O fracasso das negociações é provável.

A reunião que começou nesta quinta-feira (22/11) em Bruxelas promete ser tumultuada. Já antes do início do encontro especial de cúpula para debater o orçamento europeu dos próximos sete anos, alguns países ameaçavam com veto. O veto de um país basta para que o encontro termine sem resultados, pois o orçamento precisa ser aprovado por todos, como é de praxe na União Europeia (UE).

Em debate estão recursos comuns no valor de 1,075 trilhão de euros para o período que vai de 2014 até 2020. Isso é muito dinheiro, mas apenas uma pequena parte do orçamento total de todas as 27 nações do bloco.

Mesmo assim, as emoções estão à flor da pele, principalmente porque questões fundamentais estão em jogo. Por exemplo a credibilidade da União Europeia. Só que uns se referem à credibilidade de uma economia eficientemente e que sabe poupar; para outros se trata da credibilidade da ideia de uma Europa solidária.

Desperdício de dinheiro?

Em discussão está o projeto elaborado pela Comissão Europeia, com uma proposta orçamentária de 1,075 trilhão de euros. Principalmente os grandes contribuintes, como a Alemanha e o Reino Unido, querem cortar esse valor em no mínimo 100 bilhões de euros. O argumento é que, em tempos de orçamentos nacionais curtos, não há a possibilidade de repassar mais dinheiro para as instituições europeias.

Comissão Europeia e Parlamento Europeu têm outra opinião. Eles argumentam que a UE tem cada vez mais tarefas e responsabilidades e precisa, portanto, de cada vez mais recursos. Além disso, o orçamento comunitário é, no fundo, um grande programa de crescimento e investimento, algo muito importante em tempos de crise.

Os críticos podem até entender o argumento do crescimento econômico, mas dizem que a UE aplica o dinheiro de forma ineficiente e sem o controle adequado – em outras palavras: a UE desperdiça dinheiro. Por isso, os investimentos podem ser feitos de maneira muito mais eficiente pelos próprios Estados.

Ameaças de veto de todos os lados

EU-Gipfel in Brüssel Haushaltsplanungen

Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, que apresentou o projeto orçamentário

Mas o embate entre países-membros, de um lado, e instituições europeias, do outro, não é o único. Existe ainda uma ruptura entre os países-membros. Basicamente, os contribuintes (aqueles que pagam mais do que recebem de volta) querem economizar. Os beneficiários (aqueles que recebem mais dinheiro do que pagam) desejam um orçamento maior. Cerca de 80% do orçamento da UE retorna aos países-membros na forma de subvenções das mais variadas.

Além disso, há o caso especial do Reino Unido. O primeiro-ministro David Cameron gostaria de encurtar o orçamento ainda mais radicalmente, muito mais do que a Alemanha. Ele se encontra no meio de uma grande pressão política interna. Cameron também foi o governante que expressou de forma mais clara a ameaça de um veto. E ele também lutará pela manutenção do desconto especial para o Reino Unido, como ele confirmou na sua chegada em Bruxelas.

O Reino Unido ganhou esse desconto em 1985, ainda no governo de Margaret Thatcher, com o argumento de que o país pouco se beneficiava dos subsídios agrícolas, a maior rubrica do orçamento europeu. Esse desconto precisa ser compensado pelos outros países-membros. Por isso, todas as vezes que se debate o orçamento, o desconto também entra em discussão.

Outros contribuintes também conquistaram descontos ao longo dos anos, como a Alemanha. E quem o recebe, quer mantê-lo.

Depois das exigências de cortes pela União Europeia, o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, sugeriu alternativas para cortar gastos, por exemplo diminuindo os recursos para as subvenções agrícolas.

Foi a vez de a França ameaçar com veto – os agricultores franceses são os maiores beneficiários dos subsídios agrícolas da UE. Ao todo, um terço dos governos ameaçou, abertamente ou não, vetar o orçamento.

A crise aumenta a tensão

A crise da dívida aumentou a tensão dentro da UE. A briga sobre o orçamento é um sintoma dessa situação. Ricos contra pobres, norte contra sul, em parte também leste contra oeste (ou seja, os membros antigos contra os novos) – essas são as frentes de batalha.

Caso a cúpula não chegue a um acordo – o que é bem provável – fica valendo o valor do orçamento atual. Alguns países até mesmo ficariam satisfeitos com isso, pois não haveria aumentos nos repasses.

Mas isso dificultaria muito o trabalho da UE e tornaria o "clima" interno ainda pior. Por isso, alguns representantes de UE dizem que o encontro da cúpula não pode fracassar. Seu sucesso é necessário para que os europeus continuem unidos.

Autor: Christoph Hasselbach (cn)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais