1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE fecha acordo sobre mercado único de serviços

Os países-membros da União Européia chegaram a um acordo sobre a liberalização do mercado de serviços, mas ficaram bem longe da inicialmente planejada abertura completa do setor.

default

Construção civil alemã emprega muitos trabalhadores do Leste Europeu

Depois de mais de oito horas de discussões, os ministros da Economia dos 25 Estados-membros da União Européia (UE) chegaram na noite desta segunda-feira (29/05) a um consenso sobre o projeto de lei que, se não cria um mercado único de serviços, diminui as barreiras existentes entre os países nesse setor da economia, responsável por cerca de 70% do PIB europeu.

O principal objetivo é elevar o crescimento econômico e a geração de empregos. Há estudos indicando que a abertura dos mercados nacionais de serviços geraria mais 600 mil novos postos de trabalho, dos quais 100 mil só na Alemanha. O setor empresa 116 milhões de pessoas na Europa.

Concorrência

A abertura quase total inicialmente planejada não foi alcançada. Com isso, os trabalhadores de países como Alemanha e França continuam protegidos da concorrência vinda principalmente dos novos países-membros, a maioria no Leste Europeu.

Desde o início das discussões, a maioria dos países-membros mais antigos da UE, como a Alemanha e a França, se mostraram contrários a uma abertura ampla do setor, temendo os efeitos negativos sobre os seus mercados internos. Os novos Estados-membros, principalmente os do Leste Europeu, defenderam regras mais liberais.

Legislação

O acordo alcançado pelos representantes dos governos se baseou na proposta aprovada em fevereiro último pelo Parlamento Europeu. O ponto principal, e que foi mantido, é que as empresas ou profissionais do setor que quiserem atuar além das fronteiras dos seus países de origem devem respeitar as legislações do país no qual o serviço está sendo prestado, e não as leis do seu país.

Além disso, não haverá mudanças em aspectos como carga horária, piso salarial, férias ou direito à greve.

A diretriz aprovada pelos Estados da UE afeta serviços de consultoria empresarial, publicidade, recursos humanos, construção civil e aluguel de automóveis, entre outros. Diversos setores não são atingidos pelas novas regras, como transportes, saúde, serviços básicos (como água e energia elétrica) e até mesmo jogos de azar e assistência a idosos.

Caso o Parlamento Europeu mantenha as alterações feitas pelos representantes dos governos, o projeto deve virar lei até o final deste ano. Os governos dos 25 países europeus terão, então, até o final de 2009 para implementar a nova lei.

Leia mais