1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE está pronta para ajudar na reconstrução da Faixa de Gaza

Europeus já repassam 900 milhões de euros por ano para a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, na forma de ajuda humanitária. Unidade entre os palestinos facilitaria a distribuição.

A União Europeia (UE) está pronta para contribuir com a reconstrução da Faixa de Gaza e o fornecimento de suprimentos à população local tão logo se chegue a um cessar-fogo definitivo entre o grupo radical palestino Hamas e o governo de Israel.

A alta representante para assuntos externos, Catherine Ashton, afirmou recentemente que a situação humanitária em Gaza estava piorando, e por isso era preciso assegurar que a ajuda chegasse à população local. Ashton disse que os confrontos na Faixa de Gaza mostraram, mais uma vez, que a situação no estreito – sob controle do Hamas – onde vivem 1,8 milhão de pessoas, é cada dia mais insustentável.

"Assim que as circunstâncias permitirem, estaremos preparados para trabalhar em uma solução ampla e duradoura, que possa atender às necessidades humanitárias e econômicas, assim como a segurança de israelenses e de palestinos", disse.

Essa declaração soa parecida com outras, dadas após conflitos anteriores na Faixa de Gaza, como em janeiro de 2009 e novembro de 2012. Tanto então como agora, o grupo armado islâmico é visto como uma organização terrorista, com a qual não se pode manter contato nem negociar diretamente.

De acordo com o porta-voz de Ashton, Sebastien Braband, o bloco europeu conversou com todas as partes envolvidas a fim de definir a melhor forma de contribuir para o fim do conflito. "Por isso é fundamental que o novo governo palestino assuma o controle da Faixa de Gaza e coloque fim às disputas internas", disse Braband à DW.

Ajuda por vias indiretas

EU Außenministertreffen Krim Referendum 17.03.2014 Ashton

Ashton fala em ajuda "assim que as circunstâncias permitirem"

Se a Autoridade Nacional Palestina, sob comando do moderado presidente Mahmoud Abbas, controlasse a Faixa de Gaza, seria muito mais fácil para a UE distribuir ajuda financeira diretamente à região e até mesmo controlar a aplicação desses recursos.

Mas quem comanda Gaza é o grupo radical Hamas, e o bloco europeu precisa fazer uso de vias indiretas para repassar parte dos salários e aposentadorias dos funcionários públicos da Faixa de Gaza e dar ajuda financeira para diversas famílias que vivem na região. Esses repasses só podem ser feitos por vias indiretas – transferir recursos aos Hamas é fora de questão.

Com isso, segundo a Comissão Europeia, fica difícil controlar esses pagamentos – o que já gerou uma reprimenda do Tribunal de Contas Europeu. Em dezembro do ano passado, a corte declarou que a UE pagou salários a servidores público na Faixa de Gaza que sequer estavam trabalhando. O Tribunal de Contas recomendou ainda o cancelamento dos programas de ajuda, o que não ocorreu.

900 milhões de euros por ano

A UE vem tentando há anos prover melhorias para a população em Gaza financiando projetos para melhorar o abastecimento de água e a infraestrutura. Atualmente, grande parte da ajuda concedida é feita por meio da Agência da ONU de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA). A agência está na região, onde mantém escolas e hospitais e distribui alimentos a necessitados.

Segundo a ONU, a grande maioria dos moradores da Faixa de Gaza depende de ajuda. "Centenas de pessoas vivem em extrema pobreza. A escalada da violência agravou ainda mais a crise humanitária em Gaza, que já existe há mais de dez anos", afirmou o secretário-geral da UNRWA, Pierre Krahenbuhl.

Por ano, a Comissão Europeia destina 450 milhões de euros do fundo comum europeu aos palestinos da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, na forma de ajuda humanitária. O mesmo valor é repassado diretamente pelos Estados-membros do bloco europeu. Ao lado da UE, os Estados Unidos são o maior doador de recursos para os palestinos.

Já há algum tempo o Parlamento Europeu vem criticando essa ajuda financeira, que é desvinculada da imposição de condições no campo político. No último debate sobre o tema, no mês passado, o deputado holandês Geoffrey van Orden questionou, por exemplo, se não deveria haver um retorno pelos bilhões de euros repassados como contribuição nos últimos anos. Mas, até o momento, nada mudou.

Leia mais