UE encaminha processo contra países com alto déficit orçamentário | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 18.02.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE encaminha processo contra países com alto déficit orçamentário

Após avaliar programas de estabilidade de 17 países-membros da UE, Comissão Europeia encaminha processo contra seis por causa de déficit orçamentário excessivo.

default

Comissário Almunia anunciou que orçamentos estão sob pressão

Nesta quarta-feira (18/02), a Comissão Europeia avaliou a política orçamentária de 17 países-membros. Apesar da crise econômica e financeira, a Comissão não pretende deixar de controlar o novo endividamento dos Estados-membros, limitado a 3% do Produto Interno Bruto (PIB) pelo Pacto de Estabilidade do euro.

Sobretudo quatro países estavam na mira da Comissão Europeia: França, Espanha, Irlanda e Grécia. No ano passado, o déficit orçamentário das quatro nações já ultrapassou a taxa máxima permitida pelo Tratado de Maastricht. No ano corrente, o novo endividamento de tais países deverá ser ainda maior.

Por esse motivo, o espanhol Joaquín Almunia, comissário europeu de Assuntos Econômicos e Monetários, encaminhou nesta quarta-feira processo por déficit excessivo contra esses quatro países, além de Malta e Letônia. No final do processo, o Conselho de Ministros das Finanças da UE poderá aplicar multas de 0,2% a 0,5% do PIB aos infratores do Pacto de Estabilidade.

Saneamento das finanças estatais

As regras do Pacto de Estabilidade assinado pelos 27 países-membros da UE são, em princípio, simples. Se um país ultrapassar por dois anos consecutivos o limite de novo endividamento, terá problemas com Bruxelas. Neste caso, a Comissão Europeia poderá processá-los e impor multas bilionárias. Para isso, no entanto, é necessária uma maioria de dois terços no Conselho de Ministros.

Em 2005, o pacto foi reformulado. Em situações como a atual crise econômica, a marca de referência para novo endividamento pode ser levemente ultrapassada, de forma temporária. Almunia lembrou que, devido à difícil crise financeira e econômica atual, os orçamentos públicos dos países-membros da UE estão sobrecarregados.

Almunia argumenta que a aplicação do Pacto de Estabilidade ajuda a sanear as finanças estatais, para que as próximas gerações não sejam prejudicadas. O comissário ressaltou ainda que o pacto deve ser usado de forma flexível, sem colocar em risco a credibilidade da política fiscal.

Alemanha ainda não ultrapassou limite

Wirtschaft Handel Geld Euro

Pacto prevê déficit máximo de 3% do PIB

Com um déficit orçamentário de 2,9% neste ano, a Alemanha ainda não pertence aos países a serem advertidos por Bruxelas. Segundo prognóstico da UE, no entanto, o país poderá ultrapassar o limite de 3% em 2010.

A França, por outro lado, deverá apresentar, em 2009, um déficit orçamentário de 4,4%; a Espanha, de 5,8% e a Irlanda, de 9,5%.

Almunia apresentará suas avaliações ao Comitê Econômico e Financeiro da UE, além de um cronograma para redução do déficit. Esse grêmio, com representantes dos países-membros, da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu (BCE), tem prazo de duas semanas para dar seu parecer.

Após isso, o comissário espanhol poderá dar entrada formal no processo por déficit excessivo, algo ainda a ser votado pelo Conselho de Ministros.

Além dos 17 países-membros submetidos a avaliação nesta quarta-feira, Bruxelas analisará os programas de estabilidade da Itália, Luxemburgo, Portugal e Lituânia em 25 de fevereiro próximo.

Crise agrava quadro

Konjunktur, EU, Deutschland, Haushaltsdefizit, quo vadis?

Economia pode ou não reagir a programas conjunturais

Programas conjunturais bilionários e as sequelas da crise financeira fizeram com que o déficit orçamentário voltasse a subir nos países da União Europeia.

Para evitar o pior – uma profunda recessão – o Estado está implementando programas de ajuda conjuntural, suprindo a baixa da demanda privada, apoiando os bancos e evitando assim o colapso do sistema financeiro. Isso sobrecarrega ainda mais os orçamentos públicos. Resta saber se algum dia essas dívidas poderão ser pagas.

Leia mais