UE discute remédios para um euro enfermo | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 29.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE discute remédios para um euro enfermo

Parece não haver dúvidas de que o euro não passa bem. Nos países da moeda comum europeia, pipocam discussões a respeito das medidas a serem tomadas para minimizar suas mazelas.

default

Ainda em tempos de 'velha ordem': Wim Duisenberg, então presidente do BCE, festejava em 2001 a introdução do euro

"Estou absolutamente convencido de que o euro, nessas alturas, já fracassou", afirmou Hans Olaf Henkel, ex-presidente da Confederação Alemã da Indústria (BDI). Isso acontece porque "não nos ativemos às tarefas que certamente teriam levado ao sucesso do euro", continua Henkel.

Segundo ele, um dos primeiros governos europeus a cometer erros capitais neste sentido foi o de Gerhard Schröder e sua coalizão social-democrata-verde na Alemanha (1998-2005). Esse governo, ao lado da França, optou por afrouxar os cintos em relação ao Pacto de Estabilidade, lembra Henkel.

Ou seja, isso demonstra, segundo o representante da indústria, que não se deve continuar a dar lições de moral na Grécia, como se o país fosse, sozinho, o culpado por toda a miséria.

Elmar Brok, membro democrata-cristão do Parlamento Europeu, confirma: "Aqui em Bruxelas, tem-se sempre a sensação de que, quando os grandes quebram uma regra, eles modificam o sistema jurídico. Já quando os pequenos fazem a mesma coisa, são condenados à forca. É preciso deixar claro que nós, alemães, também carregamos parte da responsabilidade e temos que recuperar a confiança em nossa própria conduta".

"Quase um golpe"

Olaf Henkel

Hans Olaf Henkel, ex-presidente da Confederação Alemã da Indústria

A postura hesitante do governo alemão no gerenciamento da crise não ajudou em absoluto a fortalecer o euro. No início de maio deste ano, foi necessário mais um pacote de salvação da economia, orçado em torno de 750 bilhões de euros, para acalmar os mercados financeiros.

Em tempo recorde, foi aprovada a parcela alemã de 147 bilhões de euros – um procedimento ímpar, analisa Henkel, ex-lobbista-mor da indústria do país: "Imagine só, em meio dia, o Bundestag [câmara baixa do Parlamento] aprovou isso, no mesmo dia o Bundesrat [câmara alta do Parlamento] e no dia seguinte o presidente estava assinando a lei. Uma coisa dessas nunca aconteceu na história da Alemanha. Foi quase um golpe o que se deu ali".

Andreas Schmitz, presidente da Confederação Alemã dos Bancos, evita declarações tão incisivas, embora também aponte um erro grave do governo alemão neste contexto. "Eles assinaram o cheque antes de qualquer mudança. Quando se coloca o dinheiro em cima da mesa, rapidamente vem alguém para pegar. O que teria que ter sido feito é oferecer o dinheiro e dizer: 'você pode ficar com ele, mas antes vai ter que assinar ou aceitar isso e aquilo'".

Fundo Monetário Europeu

Elmar Brok

O parlamentar democrata-cristão Elmar Brok

Nessas alturas, a UE tem que arcar com as consequências dos erros que cometeu e sair em busca de receitas que possam eventualmente curar o euro de suas enfermidades. A criação de um Fundo Monetário Europeu (FME), sugestão defendida pelo ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, sofreu sérias críticas de vários guardiões da moeda comum europeia.

O temor é de que um fundo como esse possa trazer um conforto excessivo aos Estados com altas dívidas públicas e estes deixem de economizar como deveriam. Além disso, esse fundo chegaria tarde demais para conter a atual crise. Como soluções futuras não resolvem os problemas de hoje, o tal FME não é, acreditam analistas, a receita adequada para as atuais mazelas do euro.

Governo econômico europeu

A proposta mais apregoada no momento é a criação de um governo econômico europeu. Até pouco tempo, a França era praticamente a única defensora de tal ideia. A chanceler federal alemã, Angela Merkel, começou a aceitar a proposta logo a seguir e, no último encontro de cúpula da UE, no dia 17 deste mês, a ideia de um governo comum para a política econômica parecia já ter se tornado consenso.

O problema é que cada um entende uma coisa quando se fala em "governo econômico". Christian Calliess, especialista em questões europeias da Universidade Livre de Berlim, acredita mais em estratégias de maior controle nas esferas da UE do que na condução de uma política econômica comum.

"Quando se tratam de instâncias de controle, ou seja, de mais competências para a Comissão Europeia ou, de forma geral, para os organismos europeus, tendo em vista o controle orçamentário dos países-membros, aí sim posso imaginar alguma coisa que funcione", diz o especialista. Já uma política econômica comum, argumenta Calliess, não seria viável devido à heterogeneidade do bloco com seus 27 membros.

O parlamentar Elmar Brok exprime da seguinte forma sua posição neste contexto: "Tem que haver a possibilidade de coordenação e instrumentos necessários para respeitar as regras estabelecidas", aponta ele. Essa seria uma receita que, segundo Brok, poderia ajudar a aplainar os sintomas das enfermidades do euro, embora ainda seja necessário investir mais na composição do medicamento.

Insolvência devidamente organizada

Andreas Schmitz Präsident des Bundesverbandes deutscher Banken

Andreas Schmitz, presidente da Confederação Alemã dos Bancos

Há de qualquer forma um consenso frente à necessidade de combater não apenas os sintomas, mas também as razões das mazelas da moeda comum europeia. Em outras palavras: é preciso manter o déficit público sob controle, a fim de acabar com as especulações que podem desestabilizar o euro.

Na última cúpula da UE, havia sido definida uma fiscalização mais rígida da disciplina orçamentária dos países-membros do bloco. Nos bastidores da UE, discute-se no momento como essa fiscalização poderia se dar concretamente.

Para Christian Calliess, é importante que seja possível apelar para sanções contra os países-membros sempre que um deles não respeitar os critérios do Pacto de Estabilidade. É preciso, diz ele, "que não seja mais necessária a aprovação de sanções pelo Conselho dos Ministros da UE, mas que elas possam ser acionadas automaticamente. Precisamos de um automatismo neste sentido. E, para casos extremos, como o da Grécia agora, da possibilidade de um Estado falir de forma organizada".

Exclusão dos endividados

Tudo isso dá a impressão de uma operação de risco, pois a estratégia implica uma possível exclusão dos países deficitários da união monetária. A consequência desta ruptura seria a de que, no fim, a união monetária continuaria existindo com alguns poucos países-membros, mas que realmente respeitam os critérios do Pacto de Estabilidade. Caso contrário, paira sobre o euro a ameaça de se tornar uma moeda fraca, cronicamente enferma, e a união monetária se transformaria em união de transferência de recursos.

Ela já se encontra neste caminho, alerta Andreas Schmitz: "Decididamente neste caminho. Com o empenho da Alemanha e através de negociações inteligentes e estruturais com os parceiros da UE ainda há, porém, possibilidades de reaver o Pacto de Estabilidade", acredita o presidente da Confederação dos Bancos. Também no caso do "paciente euro", a esperança é a última que morre.

Autora: Zhang Danhong (sv)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais