1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

UE deve uniformizar legislação sobre clonagem humana

Após aprovação de lei de proibição pela Câmara dos Lordes, na Grã-Bretanha, clonagem de embrião humano está interdita na maioria dos países da UE.

default

Imagem de laboratório mostra embrião de oito células, três dias após a fecundação

A deputada alemã do Partido Verde no Parlamento Europeu, Hiltrud Breyer, lançou um apelo veemente em favor de uma "proibição estrita" de qualquer clonagem humana. A falta de uma legislação européia uniforme está deixando as portas abertas para um "sucateamento do corpo humano", declarou a parlamentar nesta terça-feira, em Bruxelas. Uma votação no Parlamento Europeu sobre um relatório especial da Comissão de Genética Humana está agendada para quinta-feira (29).

Clonagem é proibida em sete países da UE

Após a aprovação, pela Câmara dos Lordes, em Londres, de uma lei emergencial apresentada pelo governo para a proibição da clonagem com fins de reprodução, a técnica de clonar embriões humanos passa a ser interdita na maioria dos países da União Européia, numa proporção de oito para sete.

O novo regulamento britânico prevê pena de prisão de até dez anos para quem clonar embriões humanos para fins reprodutivos. A clonagem terapêutica continua sendo permitida.

Com a nova legislação, que deve ser aprovada pela Câmara dos Comuns na quinta-feira, o governo reagiu a uma sentença do Supremo Tribunal Civil. Este havia constatado uma lacuna nas leis britânicas, segundo a qual a clonagem reprodutiva, contrariando a intenção do governo, não era interdita.

Dos 15 países-membros da UE, somente a Grécia, a Itália e a Espanha ratificaram a Declaração de Oviedo de 1997, que proíbe a clonagem humana e a criação de embriões para fins de pesquisa. Na França, Alemanha, Áustria, e agora Grã-Bretanha, estão em vigência proibições em nível nacional. Na Irlanda, a Constituição proíbe qualquer intervenção no embrião. Nos demais países, a clonagem não é interdita.

Legislação é urgente, diz presidente do Conselho Nacional de Ética

O professor de Direito Spiros Simitis, que preside o Conselho Nacional de Ética convocado pelo chanceler federal Gerhard Schröder, insiste na urgência de uma legislação que regulamente na Alemanha a importação das células-tronco. Em sua opinião, não há como separar tematicamente a questão da importação e a problemática geral da clonagem. O Bundestag não pode continuar protelando a decisão, declarou Simitis, opinião em que é apoiado pelo biocientista Jens Reich, que também integra o Conselho de Ética.

Comissão Parlamentar apresenta relatório

O presidente do Parlamento, Wolfgang Thierse, recebeu nesta terça-feira, em Berlim, um relatório de 150 páginas preparado pela Comissão Parlamentar sobre Direito e Ética na Moderna Medicina.

Diante dos conflitos éticos que envolvem o assunto, a comissão é unanimemente contrária à obtenção de células-tronco de embriões, num processo em que há destruição da vida humana, acentuou a presidente do grupo, Margot von Renesse.

Na questão da importação de células-tronco embrionárias para fins de pesquisa, o relatório reproduz as opiniões divergentes dos membros da comissão. Alguns defendem que o governo deveria esgotar todas as possibilidades para impedir a importação, enquanto outros acreditam na necessidade de tolerá-la sob determinadas condições.

Em votação realizada a 12 de novembro, 26 membros da comissão pronunciaram-se contra e 12 a favor da importação de células-tronco embrionárias.

Leia mais