UE define plano para diminuir emissões de CO2 de veículos | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 02.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE define plano para diminuir emissões de CO2 de veículos

Após meses de debates, os países-membros, a Comissão e o Parlamento europeus chegaram a um compromisso para a redução das emissões de CO2 em veículos novos a partir de 2012.

default

Menos emissões a partir de 2012

Os 27 países que compõem a União Européia (UE), a Comissão e o Parlamento europeus chegaram a um acordo nesta segunda-feira (01/12) para obrigar as montadoras a reduzir as emissões de CO2 dos carros novos a partir de 2012.

O acordo prevê que os limites de emissões serão introduzidos de forma escalonada entre 2012 e 2015, e não, conforme previsto pela Comissão, a redução total a partir de 2012, o que havia sido severamente criticado por montadoras de diversos países.

O compromisso, que faz parte dos esforços da UE para combater o aquecimento global, prevê que veículos novos só poderão emitir em média 120 gramas de CO2 por quilômetro (g/km). Esta meta será introduzida de forma escalonada: em 2012, ela valerá para 65% dos veículos novos; no ano seguinte, para 75%; em 2014, para 80%, e a partir de 2015 valerá para toda a frota de carros novos na UE.

A partir de 2020, está prevista uma limitação em 95 g/km. Nos veículos novos licenciados em novembro de 2008 na Alemanha, a emissão média foi de 163 g/km. Estão previstas multas progressivas para quem não cumprir as metas, de até 95 euros por veículo se a infração superar 4 g/km acima do permitido.

Críticas de vários lados

O consenso foi recebido de forma diferenciada. "É um ótimo compromisso – fazemos algo pela proteção do meio ambiente e damos à indústria a chance de adaptar a produção em médio prazo", elogiou a presidente da Comissão de Indústria do Parlamento Europeu, a social-cristã Angelika Niebler. Já a política verde Rebecca Harms disse tratar-se de "uma grande vergonha para a política ambiental da UE".

Deutschland Atom Endlager Asse Sigmar Gabriel

Sigmar Gabriel

Para o ministro alemão do Meio Ambiente, Sigmar Gabriel, é um "bom compromisso". Não é relevante se a indústria automobilística cumprirá 100% ou só 65% da exigência até 2012, disse Gabriel à emissora de rádio Bayerischer Rundfunk. O decisivo, segundo ele, é que a indústria agora conhece as condições legais a serem cumpridas.

A organização ambientalista Greenpeace criticou a UE, que se teria deixado influenciar pelo lobby automobilístico, e a chanceler federal alemã. "A autodenominada defensora do meio ambiente Angela Merkel caiu de joelhos diante da indústria", anunciaram fontes da Greenpeace.

Também a organização ambientalista alemã Bund e o automóvel clube VCD consideram esta terça-feira "um dia negro para a proteção ambiental".

Críticas também da indústria

A VDA, associação da indústria automotiva alemã, mostrou-se em grande parte satisfeita com o consenso, mas critica as sanções previstas aos infratores. Multas de 95 euros por grama são 24 vezes mais do que o preço pago atualmente pela tonelada de CO2 no comércio de emissões das indústrias de carvão e siderurgia, reclamou Matthias Wissmann, presidente da VDA.

O compromisso ainda depende da aprovação formal dos países-membros e da luz verde do plenário do Parlamento Europeu. Os ministros do Meio Ambiente do bloco debatem o assunto nestas quinta e sexta-feiras em Bruxelas. A aprovação no Parlamento, prevista para 17 de dezembro, é considerada certa.

Até 2020, a União Européia pretende reduzir em 20% suas emissões de CO2 em relação a 1990. Os planos em relação às emissões de veículos inicialmente não faziam parte do pacote, mas foram introduzidos por insistência da Itália.

Embora ainda haja muitos pontos em aberto quanto à distribuição de tarefas para diferentes países e setores da indústria, os chefes de governo e de Estado da União Européia deverão aprovar o pacote climático na cúpula de 11 e 12 de dezembro próximos em Bruxelas.

Leia mais