1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE cogita limitar salários de executivos, seguindo exemplo da Suíça

Suíços aprovaram em referendo popular iniciativa que passa aos acionistas a competência de definir os ganhos dos diretores de empresas. Oposição britânica pode dificultar aplicação da medida no bloco europeu.

A Comissão Europeia anunciou nesta segunda-feira (04/03) a intenção de seguir o exemplo da Suíça, que aprovou em referendo popular,  no último domingo, o estabelecimento de limites para os salários de altos executivos.

O anúncio foi feito por Stephan De Rynck, porta-voz do comissário europeu de Mercados Financeiros, Michel Barnier. O objetivo é que uma proposta sobre o assunto seja apresentada até o fim do ano, explicou.

"O referendo foi muito positivo, e mostra que há espaço para assegurar transparência em nível europeu", disse De Rynck. "Nós vamos na mesma direção, e nossa proposta vai se basear também numa decisão vinculativa [por parte dos acionistas], assim como ficou definido ontem na Suíça."

No domingo, a população suíça decidiu, por 67,9% dos votos, que a função de limitar os salários e bônus saia das mãos dos próprios executivos e passe aos acionistas. O referendo foi considerado histórico por seu conteúdo e por sua abrangência: todos os 16 cantões suíços, sem exceção, apoiaram a entrada em vigor da nova lei.

Inédito na Europa, o projeto leva o nome de Iniciativa Minder, em referência a seu idealizador e principal promotor, o senador Thomas Minder. A campanha em prol da mudança lhe rendeu o apelido de "Robin Hood dos acionistas" e ganhou força após o escândalo, nas últimas semanas, envolvendo o presidente da farmacêutica Novartis, Daniel Vasella.

A empresa gerou polêmica ao anunciar que Vasella receberia mais de 58 milhões de euros após deixar o cargo. O executivo acabou abrindo mão do dinheiro, mas o debate subsequente culminou na aprovação da lei.

Schweizer Volksentscheid Minder-Initiative Manager Gehalt

"A iniciativa enfraquece a Suíça como sítio empresarial", alegava cartaz anti-Minder, antes do referendo

Bônus também na mira

A Suíça se orgulha de seu ambiente de negócios favorável, com baixos impostos. Entretanto, nos últimos anos, uma série de escândalos e ajudas financeiras a bancos suscitaram críticas a seu sistema. A ministra da Justiça Simonetta Sommaruga qualificou o referendo de domingo como "a expressão do grande desconforto da população suíça com o nível dos salários pagos aos executivos".

O primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, aplaudiu a iniciativa, dizendo que seu país deveria tomar a Suíça como exemplo. “É uma excelente iniciativa democrática e, pessoalmente, acredito que deveríamos nos inspirar neles”, comentou.

A Alemanha também elogiou a iniciativa, mas optou por um discurso mais cauteloso. "O referendo produziu um resultado interessante, que precisa ser olhado de perto", disse Steffen Seibert, porta-voz do governo alemão.

Dono de um dos maiores mercados financeiros do mundo, o Reino Unido se opõe à intenção da UE de seguir o exemplo da Suíça, o que deve complicar os planos do bloco de adotar a medida. Na última semana, o Parlamento Europeu e a presidência temporária da UE, exercida pela Irlanda, haviam chegado a um acordo preliminar sobre a restrição dos bônus para executivos. Contudo, a proposta não deverá ser votada antes de abril.

RPR/dpa/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais